quinta-feira, 1 de junho de 2017

Portal Teologia & Missões

* A Inerrância da Bíblia - Bibliologia


A INERRÂNCIA DA BÍBLIA 

Estudo abordado na EBD, 
por. Michael Rossane.

“A graça seja com todos os que amam a nosso Senhor Jesus Cristo em sinceridade. Amém.” (Efésios. 6:24 ACF)“Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça;” (II Timóteo 3:16 ACF)

Definição (segundo o site “Luz para o caminho” da inspiração e preservação das Escrituras).

1. Conforme posto no artigo I da DDCBB, a Bíblia é a Palavra de Deus; Sua plena e definitiva revelação aos homens. Escrita por homens inspirados por Deus, é inerrante e infalível nos originais em quaisquer de seus 66 livros componentes, tanto no Antigo quanto no Novo Testamento.(Lucas 16:29, Hebreus 1:1-2, II Timóteo 3:16, II Pedro 1:21, Salmo eu 119:160)2. 

A Bíblia foi, conforme promessa de Deus, por Ele próprio preservada, desde os originais, nada se perdendo ou se acrescendo. Sua preservação foi constante no decorrer do tempo, estando sempre em uso por Seus filhos, crentes fiéis perseguidos através dos tempos. Como tal, o Antigo Testamento está plenamente preservado no Texto Massorético e o Novo Testamento no Texto Recebido (Textus Receptus), os quais formam a base de todas as traduções da Palavra de Deus feitas durante a Reforma (King James, João Ferreira de Almeida, Reina Valera, Diodati, Lutero, etc...), traduções estas que por quase 300 anos foram adotadas por 100% das igrejas fiéis e por 100% dos crentes fiéis.

A Palavra de Deus tem permanecido disponível durante todo o tempo a todos os crentes, seja nos originais, seja através de fiéis cópias suas ou através de uma de suas traduções fiéis.(Isaías 40:8, Salmo 19:7-9, Deuteronômio 12:32, Salmo 102:11-12, Salmo 111:7-8, Salmo 33:11-12, Isaías 59:21, Marcos 13:31, Apocalipse 14:6)“Sabendo primeiramente isto: que nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação. 

Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo.” (II Pedro 1:20-21 ACF). O caminho percorrido pelos textos que ficaram conhecidos como Textus Receptus ou texto tradicional ou texto do tipo bizantino, tem como início a igreja em Antioquia, local aonde pela primeira vez os discípulos de Cristo foram chamados cristãos, conforme Atos 11:26:“E sucedeu que todo um ano se reuniram naquela igreja, e ensinaram muita gente; e em Antioquia foram os discípulos, pela primeira vez, chamados cristãos.” (Atos 11:26 ACF). 

Desde o ministério de Cristo até mais ou menos o ano 100 d.C., os manuscritos originais do Novo Testamento foram escritos na língua grega, sendo que o livro de Apocalipse, escrito pelo apóstolo João, foi o último a ser escrito, isso por volta de 96 d.C. 

A história nos mostra que, com raras exceções, os livros do Novo Testamento foram sendo aceitos como canônicos pelas Igrejas quase que imediatamente após terem sido escritos. Podemos ver uma definição rápida e praticamente unânime do que era canônico, a ponto de em 150 d.C. várias traduções dos textos bíblicos serem feitas, contendo os mesmos 27 livros que encontramos hoje em nossas Bíblias. 

Temos assim, que menos de cem anos depois do primeiro documento ser escrito, os livros do Novo Testamento já estavam reunidos e eram reverenciados pela Igreja de Cristo como sendo de autoridade escritural divina. Foi criado um cânon oficial do Novo Testamento, o qual foi aceito por todas as Igrejas que se chamam Cristãs.Por um período de muitos séculos, os textos ficaram em uso pelos crentes de lá, tendo sido usados e copiados, usados e copiados, pois o pergaminho desgastava-se pelo uso intenso por parte da igreja. Àquela época, o material utilizado era muito caro, e eles otimizavam ao máximo seu uso. 

É assim que, os autógrafos, ou seja, os escritos de próprio punho pelos escritores bíblicos não são mais encontrados.Os textos foram utilizados ali, e posteriormente percorreram um caminho muito longo para a época, quando as distâncias eram tão difíceis de serem vencidas.Esse tipo de texto também foi encontrado pontualmente em algumas partes da Europa, como o Norte da Itália (aos pés dos Alpes), o Sul da França, e a Grã-Bretanha. 

O Texto Recebido começou com as igrejas dos apóstolos e foi preservado pelo próprio Deus, por intermédio da erudição verdadeira e da sabedoria espiritual da pura igreja nas suas diferentes fases:a) A igreja de Antioquia, na Síria, que enviou Barnabé e Paulo como missionários aos gentios, conforme Atos 13:1-3, e se tornou o centro do cristianismo. Ali houve muitos profundos eruditos, fiéis e verdadeiros. Em 150 eles concluíram a Peshitta, a excelente tradução da Bíblia para o sírio, das quais ainda existem mais de 300 cópias;b) As igrejas no Norte da Itália , que no ano 150 concluíram a Bíblia Itálica;c) As igrejas gálicas, no Sul da França;d) As igrejas celtas, na Grã Bretanha;e) As igrejas dos Valdenses, na região de Vaudois, Norte da Itália, aos pés dos Alpes. 

Elas preservaram o texto puro, desde 150. Muitas das puras cópias por eles usadas chegaram a Erasmo, aos reformadores, e a nós (louvado seja o Senhor) As igrejas da Reforma, na Alemanha, Suíça, Inglaterra, etc. As Bíblias baseadas no Texto Recebido foram as únicas usadas pelos chamados protestantes, e pelas igrejas fiéis que não eram protestantes, como, por exemplo, os Batistas e os Menonitas; em centenas de países e línguas em todo o mundo, desde Tyndale (1525 e 1534), Lutero (1522 Novo Testamento e 1534 toda a Bíblia), Rei Tiago (King James - 1611), João Ferreira A. de Almeida (1681 e 1753), Almeida Corrigida e Revisada Fiel aos Textos Originais (ou Trinitariana, 1995).

Muitos séculos depois, em 1453 depois de Cristo, essa região de Bizâncio foi invadida por muçulmanos, o que levou vários teólogos e eruditos cristãos a fugirem de lá, levando consigo textos gregos do NT que haviam sido usados e copiados. Alguns possuíam partes do NT, enquanto outros, muito poucos, possuíam o NT inteiro.Os textos seguiram para a Europa, onde se lia predominantemente textos traduzidos para o latim. Com a chegada dos textos bizantinos, houve um renascimento do interesse pela língua grega.

Como Deus é maravilhoso! Tudo isto ocorreu à época do descobrimento da Imprensa em 1442, e também próximo à época da Reforma Protestante, deflagrada por Martinho Lutero em 1517.Foi aí que um erudito dedicado chamado Erasmo de Roterdã resolveu fazer uma compilação dos textos gregos disponíveis para produzir uma tradução para o latim, mas que resultou em um texto grego impresso.

À época, ele produziu cinco edições, sendo a primeira em 1516, e a terceira, quando ele já dispunha de um maior número de manuscritos, em 1522.Em 1521 Lutero iniciou a sua tradução para o alemão, tendo já uma edição de texto grego impressa disponível para realizá-la. Assim, também, várias traduções do NT foram feitas para diversas línguas, como: de Diodati, para o italiano (1607), Reina e Valera para o espanhol (1569, 1602), KING JAMES para o inglês (1611).Almeida foi o tradutor da época da Reforma, do texto hebraico e grego para o Português (1681,1753). 

Ele foi um missionário em Batávia, na Indonésia e passou a vida traduzindo a Bíblia Sagrada para o Português. Começou aos 16 anos e morreu em 1691,antes de terminar a tradução completa do AT, tendo parado no livro do Profeta Ezequiel. Um pastor holandês chamado Jacob Op den Akker foi quem completou a obra de tradução do AT, pois o NT já havia sido concluído e impresso pela 1ºvez em 1681, dez anos antes da morte de João Ferreira A. d’Almeida.Nenhuma tradução da Palavra de Deus foi tão amada e lida pelos crentes de fala de língua portuguesa quanto a tradução de Almeida. Mas não foi só Erasmo quem se dedicou à edição e impressão de NTs em grego. 

Desde a 1° edição produzida por Erasmo (1516), várias outras foram feitas, por diversos compiladores dos textos gregos bizantinos. Providencialmente, e cremos pela atuação poderosa de Deus em preservar a Sua Palavra, em pouco mais de um século de compilações, encontrou-se entre a 3ª edição de Erasmo e a última edição dos irmãos Elzevirs, (1633), aproximadamente 100 palavras diferentes, entre as aproximadamente 140.000 palavras do NT. 

Essas diferenças normalmente referiam-se a pequenos erros tipográficos, sinônimos, ou a diferenças como: Mt. 8:23 onde se lê “...no barco...”, lia-se “...o barco...” , originando um erro de concordância. Os textos foram todos encontrados concordantes entre si!!! Lembremos que esses textos ficaram relativamente isolados durante muitos séculos, pois nos primeiros séculos da era cristã, não havia rádio, televisão, telefones, celulares, Internet, carros, etc.! O TR, ou Texto Recebido, como ficou conhecido preserva a palavra de Deus conforme encontrada em 5210 manuscritos gregos, em um número ainda maior de manuscritos latinos, nas traduções antigas da palavra de Deus, do século II, aproximadamente 150 d.C., (Peshitta em siríaco, a Antiga Latina, que é a Vulgata original e a Copta para Egito e Etiópia, entre outras), assim como no Diatessaron, antes do ano 160, e nas referências textuais encontradas nos aproximadamente 86000 escritos dos pais da igreja; e que todo o texto sagrado foi assim preservado através dos tempos, sendo impresso o texto que ficou então conhecido por TR. Apesar de toda a perseguição sofrida pelos verdadeiros crentes no Senhor Jesus Cristo, e da perseguição aos manuscritos bíblicos, encontrou-se um texto concordante e fiel à época da Reforma Protestante. Glória a Deus pelo Seu poder em cumprir as Suas promessas!

Doutrina da Preservação . Deus preserva a Sua Palavra em uso pelos crentes fiéis em Cristo Jesus, de geração em geração.

“O conselho do Senhor permanece para sempre; os intentos do seu coração de geração em geração.” (Salmo 33:11 ACF)“Quanto a mim, esta é a minha aliança com eles, diz o Senhor: o meu espírito, que está sobre ti, e as minhas palavras, que pus na tua boca, não se desviarão da tua boca nem da boca da tua descendência, nem da boca da descendência da tua descendência, diz o Senhor, desde agora e para todo o sempre.” (Isaías 59:21 ACF)A Palavra de Deus é preservada de geração em geração.“Para sempre, ó Senhor, a tua palavra permanece no céu. A tua fidelidade dura de geração em geração; tu firmaste a terra, e ela permanece firme.” (Salmo 119:89-90 ACF) O TR foi utilizado por aproximadamente 300 anos sem contestações. 

Tanto à época da Reforma, quanto no grande movimento expansionista missionário inglês e americano dos séculos XVIII e XIX. Contudo, existe um outro tipo de texto grego.Esse texto grego tem como base predominante apenas dois manuscritos: o Sinaiticus, e o Vaticanus. Relato Histórico TC. O caminho percorrido pelos textos que ficaram conhecidos como texto alexandrino, ou texto crítico, tem início em 1881, com dois padres anglicanos, Westcott e Hort, que elaboraram, na Inglaterra, um texto grego impresso, que ficou conhecido como Texto Crítico, por serem eles dois, críticos textuais. 

Eles compilaram basicamente dois manuscritos para a sua elaboração. Um desses manuscritos, o Sinaiticus, havia sido encontrado em 1844, por Tischendorf, um pesquisador patrocinado pelo rei Frederico-Augustanus para encontrar documentos antigos. Visitando o convento de Santa Catarina, aos pés do Monte Sinai, (daí o nome Sinaiticus), ele deparou-se com um punhado de papéis de aspecto antiquíssimo que estavam dentro de um cesto, junto com outros papéis esperando para ajudarem a aumentar o fogo do convento, sendo queimados em seu fogão. Era um manuscrito do século IV, tendo sido, apesar de antigo, muito bem conservado o seu material.

 Em 1846, ele publicou o que já havia conseguido levar do convento. Após muita negociação com os monges, ele pôde retirar o manuscrito todo, que continha a Septuaginta, apócrifos do VT e do NT, assim como, o NT em grego uncial, ou seja, em maiúsculas, que havia sido copiado, rasurado e acrescido de escritos nas margens e no meio, por copistas de Alexandria, no Egito.O outro manuscrito base de Westcott e Hort, o Vaticanus, estaria numa prateleira da biblioteca do Vaticano desde o século XV, e ficou sob mistério durante séculos; até que Tischendorf, novamente, em 1866, tivesse acesso a ele por 14 dias, durante 3 horas por dia, e decidiu copiá-lo. Ele publicou uma edição desta cópia em 1867.

O Vaticanos também contém apócrifos do NT, (‘Pastor de Hermas’ e ‘epístola de Barnabé’) e não contém o livro de Apocalipse.Esses manuscritos rasurados, escritos nas margens - e que serviram à engenhosidade de seus copistas pertencentes a uma escola alegórica em Alexandria, no Egito, que defendia as heresias de Orígenes, o qual descria da divindade de Cristo - foram considerados pelos críticos textuais como superiores aos manuscritos do TR, primordialmente pela sua antiguidade. 

O TR, eles já haviam rejeitado, pois, Hort aos 23 anos, chamou o TR de o “vil Textus Receptus”.“Nada acrescentes às suas palavras, para que não te repreenda e sejas achado mentiroso.” (Provérbios 30:6 ACF)Se Vaticanus e Sinaiticus não saíram das mesmas penas, com certeza vieram da mesma escola de escrita, de Alexandria, no Egito.Assim, teria Deus escolhido QUASE preservar Sua Palavra através dos gnósticos e filósofos de Alexandria (Egito), embora Deus tenha chamado Seu Filho para FORA do Egito (Mt. 2), Jacó para FORA do Egito (Gn. 49), Israel para FORA do Egito (Ex. 15), e os ossos de José para FORA do Egito (Ex. 13).Poderia ser dito ‘quase’ preservar, já que os manuscritos alexandrinos discordam entre si em milhares de palavras, e em relação ao TR eles discordam em quase 10.000 das cerca de 140.000 santas palavras do NT! Uma em cada 14 palavras!Isso equivale a 7% de todo o NT! É como todas as palavras de I e II Pedro juntas!São 2000 adições, 2000 alterações, e 6000 omissões que existem no texto crítico, quando comparado ao Texto Recebido!Dá para imaginar os cristãos dos primeiros séculos utilizando um texto que contém os apócrifos do NT, e que não contém Apocalipse? Os manuscritos base do TC - Texto Crítico, NÃO estiveram em uso constante pela igreja, e seu excelente estado de conservação é uma das provas disso.“Porque nós não somos, como muitos, falsificadores da palavra de Deus, antes falamos de Cristo com sinceridade, como de Deus na presença de Deus.” (II Coríntios 2:17 ACF) Paulo deixa claro que existiam falsificadores da palavra de Deus. Os crentes tiveram sempre o discernimento dado pelo Espírito Santo de Deus para rejeitar os escritos falsos e usar os escritos verdadeiros. 

A canonização dos textos também se deu desta forma, e não somente os livros foram considerados canônicos, mas a forma como esses livros apresentavam-se escritos, também foi juntamente reconhecida como sagrada.

 “Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema.” (Gálatas 1:8 ACF). E Paulo exorta aos Tessalonicenses a não considerarem “...epístola...” como se fossem eles que a tivessem escrito e que “...ninguém...” os enganasse. Conforme II Tessalonicenses 2:2-3a:“Que não vos movais facilmente do vosso entendimento, nem vos perturbeis, quer por espírito, quer por palavra, quer por epístola, como de nós, como se o dia de Cristo estivesse já perto. Ninguém de maneira alguma vos engane;...” (II Tessalonicenses 2:2-3a ACF). 

Implicações da existência do texto crítico em grego para as Bíblias (modernas e impressas em Português). Assim como os crentes nos primeiros séculos tiveram o discernimento na escolha dos manuscritos fiéis, Deus dá esta mesma autoridade a cada crente verdadeiro no Senhor Jesus Cristo hoje, pois o Espírito Santo de Deus, que habita em nós, nos dá essa autoridade. Devemos ser como os crentes de Beréia, os quais foram mais nobres que os de Tessalônica, porque mesmo sendo Paulo uma pessoa culta, que havia estudado aos pés de Gamaliel, eles:“... de bom grado receberam a palavra, examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim.” (Atos 17:11b ACF)“...Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes.” (Tiago 4:6b ACF)“Toda a palavra de Deus é pura;...” (Provérbios 30:5a ACF)“A lei do Senhor é perfeita, e refrigera a alma; o testemunho do Senhor é fiel, e dá sabedoria aos símplices. 

Os preceitos do Senhor são retos e alegram o coração; o mandamento do Senhor é puro, e ilumina os olhos. O temor do Senhor é limpo, e permanece eternamente; os juízos do Senhor são verdadeiros e justos juntamente. Mais desejáveis são do que o ouro, sim, do que muito ouro fino; e mais doces do que o mel e o licor dos favos. Também por eles é admoestado o teu servo; e em os guardar há grande recompensa.” (Salmo 19:7-11 ACF)A Palavra de Deus é pura, nela não há confusão, nem mistura. 

Ela não deixa dúvidas: é clara, límpida, cristalina. Ainda que alguns textos se nos apresentem de difícil interpretação e aplicação, temos que interpretar sempre a Escritura pela Escritura e com a Escritura, tendo sempre a confiança de que, o que estamos lendo, é de fato, a pura Palavra de Deus, fiel cópia de tudo aquilo que foi originalmente escrito. Precisamos ter um texto inerrante e fiel. A existência do TC traz dúvidas quanto à correção, fidelidade, inteireza e certeza sobre a Palavra de Deus, pois, existem implicações muito grandes das diferenças tremendas entre o TR e o TC nas traduções da Bíblia Sagrada para todas as línguas hoje no mundo.São contradições e erros que são introduzidos, doutrinas básicas da fé cristã que são atacadas ou enfraquecidas, são colchetes e notas de rodapés semeando dúvidas quanto à inteireza e a correção da Palavra de Deus.

O TC ataca a DIVINDADE DE CRISTO, a PROPICIAÇÃO SÓ PELO S-A-N-G-U-E DE CRISTO, a MORTE VICÁRIA DE CRISTO (em nosso lugar!), a doutrina da TRINDADE, a inspiração da BÍBLIA, a DOUTRINA DA SALVAÇÃO, a importância do JEJUM BÍBLICO, o NASCIMENTO VIRGINAL DE CRISTO.O TC extirpa centenas de títulos divinos de Cristo.O TC omite o “...Amém.” em muitos livros do NT.

Tradução por equivalência formal e tradução por equivalência dinâmica.

 As traduções da Bíblia podem ser de duas formas: Tradução por equivalência formal, ou Tradução por equivalência dinâmica.Na formal, o texto é traduzido palavra por palavra, mas em alguns casos, não há uma palavra no Português com um sentido suficientemente claro para traduzir exatamente o que texto grego quer dizer, ou quando há necessidade de uma palavra para dar fluência ao texto. 

Nesses casos, o tradutor por equivalência formal insere uma palavra em Português, mas coloca-a em itálico, por uma questão até de honestidade, para que o leitor saiba que aquela palavra não se encontra no original, mas foi necessária a sua inclusão para um melhor sentido na tradução do texto. Almeida fez uso das itálicas com essa finalidade na sua tradução para o Português. O mesmo não acontece na tradução por equivalência dinâmica. Neste tipo de tradução, não são levadas em consideração palavra por palavra do texto, e sim, o que seria o seu ‘pensamento’. 

O que é traduzido é o que se supõe ser o ‘pensamento’ do autor, e essa tradução é feita sem o uso das itálicas, de tal maneira que o leitor não tem como saber se o que foi traduzido é originado no texto grego, ou se são interpretações do tradutor.Isso dá margem à introdução de interpretações do tradutor na tradução, e perde-se a fidelidade de uma tradução palavra por palavra, ou seja, por equivalência formal.Tratando-se de uma tradução da Bíblia, sendo ela a Palavra de Deus, admite-se para sua tradução, somente o método por equivalência formal, o que, aliás, sempre foi feito, até o século passado, quando começaram a surgir traduções parafraseadas do texto.

 “Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido.” (Mateus 5:18 ACF)“E é mais fácil passar o céu e a terra do que cair um til da lei.” (Lucas 16:17 ACF)“Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até a divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração.” (Hebreus 4:12 ACF) Nosso Deus é o Deus Todo-Poderoso! Ele inspirou e preservou poderosamente a Sua Palavra, através da história da humanidade, e assim continuará fazendo, pois assim Ele prometeu! Ele não perdeu o controle dos escritos sagrados, Ele não permitiu que a Sua Palavra se perdesse ou se confundisse. 

Temos a Palavra de Deus hoje preservada em todas as cópias fiéis dos originais e em todas as traduções fiéis da Palavra de Deus.“Toda a boa dádiva e todo o dom perfeito vem do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação.” (Tiago 1:17 ACF)Nem tão pouco em Sua Palavra, afinal Cristo é o Verbo, e Cristo é Deus, conforme João 1:1“No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.” (João 1:1 ACF)A Palavra de Deus é uma só."Não acrescentareis à palavra que vos mando, nem diminuireis dela, para que guardeis os mandamentos do SENHOR vosso Deus, que eu vos mando." (Deuteronômio 4:2 ACF)“O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não hão de passar.” (Mateus 24:35 ACF)“Mas a palavra do Senhor permanece para sempre...” (I Pedro 1:25 a ACF)“Porque eu testifico a todo aquele que ouvir as palavras da profecia deste livro que, se alguém lhes acrescentar alguma coisa, Deus fará vir sobre ele as pragas que estão escritas neste livro; E, se alguém tirar quaisquer palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte do livro da vida, e da cidade santa, e das coisas que estão escritas neste livro.” (Apocalipse 22:18-19 ACF)

CONCLUSÃO:

Se os adeptos da moderna crítica textual estão certos, então Deus deixou a Sua igreja sem a Sua Palavra verdadeira por 14 séculos. Se eles estão certos, os “melhores manuscritos” ficaram escondidos em um convento, ou em uma prateleira do Vaticano, por séculos.A Bíblia é inerrante, desde os seus autógrafos originais, ou seja, em todos os seus escritos fiéis, em todas as suas cópias fiéis, e em todas as suas traduções fiéis, os quais não possuem contradições ou erros.

Qual texto nós vamos escolher para conhecermos a Deus, e a Sua vontade? Qual texto vamos utilizar para pregar o evangelho verdadeiro aos perdidos? Qual texto vamos utilizar para nossa leitura, meditação e edificação espiritual? Qual texto nós vamos colocar nas mãos das nossas crianças, a próxima geração?


. Analise as seguintes referências na ACF - Almeida Corrigida Fiel da SBTB- Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil.  


Portal Teologia & Missões

About Portal Teologia & Missões -

Author Description here.. Nulla sagittis convallis. Curabitur consequat. Quisque metus enim, venenatis fermentum, mollis in, porta et, nibh. Duis vulputate elit in elit. Mauris dictum libero id justo.

Subscribe to this Blog via Email :