"AO CONTRÁRIO DE MUITOS, NÃO NEGOCIAMOS A PALAVRA DE DEUS VISANDO A ALGUM LUCRO; ANTES, EM CRISTO FALAMOS DIANTE DE DEUS COM SINCERIDADE, COMO HOMENS ENVIADOS POR DEUS". 2 Coríntios 2. 17



terça-feira, 4 de outubro de 2016

* Carta de John Wesley a um Pastor Preguiçoso John Trembath

CARTA DE JOHN WESLEY A JOHN TREMBATH: A SUPERAÇÃO DOS MAUS HÁBITOS NO MINISTÉRIO





















"O que quer que tenha sido no passado, que todos saibam agora que John Trembath abomina a mentira, que ele nunca promete algo que não cumpre, que sua palavra equivale a um compromisso". - John Wesley.


Em uma extensa carta pastoral escrita a John Trembath, John Wesley se detém a aconselhar o inexperiente ministro de Silberton. Ao que parece, Trembath estava sendo vítima de alguns enganos e perigos espirituais que estavam minando os resultados positivos de seu trabalho junto a comunidade. Penso que esses conselhos são válidos ainda hoje para todos aqueles que buscam a excelência no ministério da pregação da Palavra de Deus. Alguns dos erros de Trembath que podemos inferir pela carta de Wesley, pela sequência dos parágrafos, seriam:


1. Descuido no limite necessário de intimidade para com suas amizades. Pela constatação de Wesley, Trembath estava cedendo intimidade excessiva a um grupo de pessoas frívolas e maledicentes;

2. Descuido na dedicação à pregação. Alguns outros deveres temporais tornavam o ministro desqualificado para o trabalho pastoral , enfraquecendo a eficiência de sua pregação;

3. Falta de seriedade no comportamento e palavras. Trembath estava cedendo ao hábito de perder seu tempo com divertimentos questionáveis e em adotar um comportamento frívolo perante os irmãos, esquecendo-se da dignidade de sua pessoa como ministro;

4. Perda de entusiasmo no ministério. Ao que parece, Trembach estava a perder a alegria no exercício de seu ministério, esquecendo-se de sua experiência de conversão passada e as circunstâncias de seu chamado;

5. Gosto pela exposição pública das fraquezas de seus irmãos e pelo deboche, no exercício da pregação. Desse modo, Trembath angariava um espírito de rejeição do seu ministério por parte da comunidade;

6. Descuido pela verdade e pela palavra empenhada. Talvez Trembach era afeito aos exageros na pregação e também dado a promessas que não alcançavam cumprimento, absorvendo para si a fama de homem que não prezava pela palavra empenhada nem pelo cumprir seus compromissos;

7. Descuido pelo hábito de leitura. Pela longa exposição do último parágrafo da carta, este parece ser o pecado de Trembath que mais incomodava a Wesley, e que estabelecia de modo palpável a diferença entre aquilo que seu amigo era e aquilo que deveria se tornar. Razão pela qual aconselha uma mudança imediata de hábitos de sua parte.

Vale a pena ler essa carta. Onde quer que esses vícios espirituais sejam percebidos, seria também importante atentar para a sabedoria nos conselhos de Wesley, que certamente trarão as orientações necessárias para que as mudanças sejam operadas. [Claudio Soares Sampaio]


***

CARTA DE JOHN WESLEY A JOHN TREMBATH

176._ ao mesmo
CORK, 17 de agosto de 1760.

        
         “Meu caro irmão,

        A conversa que tivemos ontem à tarde deu-me muita satisfação. Quanto a alguns boatos que ouvi, (em relação a dissipar os seus haveres e ser perdulário, beber imoderadamente e comportar-se indevidamente para com os pobres habitantes de Silberton), estou convencido de que são equívocos; o que eu suponho é que conversa muito com pessoas descuidadas e insensíveis. E espero que tenha cada vez mais cuidado em relação a todos estes fatos, abstendo-se da própria aparência do mal.
       
 Que nem sempre se aplicou à pregação quando poderia ter feito, você mesmo admitiu, mas parecia determinado a remover esta objeção, assim como a outra, de usar exercícios ou divertimentos que causavam ofensa aos seus irmãos. Creio que igualmente se esforçará para evitar conversas frívolas e levianas, e a falar e se comportar na frente de todos com aquela seriedade e oficiosidade que convém a um pregador do Evangelho.

        Claramente, alguns anos atrás, você estava vivo para Deus. Você experimentou a vida e o poder da religião. Não será que Deus pretende que as provações às quais se sujeitou não o trouxessem de volta a isto? Você não pode ficar parado; você sabe que isto é impossível. Você deve avançar ou retroceder. Ou deve recuperar esse poder, e ser um cristão completo, ou em pouco tempo não terá nem poder nem aparência, dentro ou fora.

        Radicalmente contrário a ambos é essa capacidade de ridicularizar os outros, torná-los insignificantes, por expor suas reais ou supostas fraquezas. Isto eu seriamente aconselho você a evitar. Prejudica você, prejudica os ouvintes, e enormemente prejudica aqueles que são assim expostos, e tende a torná-los seus inimigos irreconciliáveis. Algumas vezes também tem sido traído por falar o que não era exatamente verdadeiro. Ó, acautele-se disto acima de tudo! Nunca aumente, nunca exagere alguma coisa. Seja inflexível no apego à verdade. Seja exemplar nesse ponto. O que quer que tenha sido no passado, que todos saibam agora que John Trembath abomina a mentira, que ele nunca promete algo que não cumpre, que sua palavra equivale a um compromisso. Peço que seja diligente nisto. Seja exemplo de verdade, sinceridade e simplicidade religiosa.

        O que tem lhe prejudicado excessivamente nos últimos tempos e, temo que seja o mesmo atualmente, é a carência de leitura. Eu raramente conheci um pregador que lesse tão pouco. E talvez por negligenciar a leitura, você tenha perdido o gosto por ela. Por esta razão, o seu talento na pregação não se desenvolve. Você é apenas o mesmo de há sete anos. É vigoroso, mas não é profundo; há pouca variedade; não há seqüência de argumentos. Só a leitura pode suprir esta deficiência, juntamente com a meditação e a oração diária. Você engana a si mesmo, omitindo isso. Você nunca poderá ser um pregador fecundo nem mesmo um crente completo. Vamos, comece! Estabeleça um horário para exercícios pessoais. Poderá adquirir o gosto que não tem; o que no início é tedioso, será agradável, posteriormente. Quer goste ou não, leia e ore diariamente. É para sua vida; não há outro caminho; caso contrário, você será, sempre, um frívolo, medíocre e superficial pregador. Faça justiça à sua própria alma; dê-lhe tempo e meios para crescer. Não passe mais fome. Carregue a sua cruz e seja um cristão no verdadeiro sentido da palavra. E então, todos os filhos de Deus se regozijarão (e não se afligirão) consigo; e, particularmente,


        Atenciosamente, etc.
        
        John Wesley"

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E SE FOSSE VOCÊ?

E SE FOSSE VOCÊ?

Postagens populares

.

DOUTOR DA IGREJA GREGA - MAIOR PREGADOR DA IGREJA PRIMITIVA - MESTRE DA RETÓRICA, DA HOMILÉTICA!

DOUTOR DA IGREJA GREGA - MAIOR PREGADOR DA IGREJA PRIMITIVA - MESTRE DA RETÓRICA, DA HOMILÉTICA!
Você deseja honrar o corpo de Cristo? Não o ignore quando ele está nu. Não o homenageie no templo vestido com seda quando o negligencia do lado de fora, onde ele está malvestido e passando frio. Ele que disse "Este é o meu corpo" é o mesmo que diz "Tu me vistes faminto e não me destes comida" e «quantas vezes o fizestes a um destes meus irmãos mais pequeninos, a mim o fizestes» (Mateus 25:40)... Que importa se a mesa eucarística está lotada de cálices de ouro quando seu irmão está morrendo de fome? Comeces satisfazendo a fome dele e, depois, com o que sobrar, poderás adornar também o altar.

João Crisóstomo, Comentário sobre Mateus

♛ Uma das características mais recorrentes das homilias de João Crisóstomo (347-407) é sua ênfase no cuidado com os necessitados. Ecoando temas do Evangelho de Mateus, ele exorta os ricos a abandonarem o materialismo para ajudar os pobres, empregando todas as suas habilidades retóricas para envergonhar os ricos e obrigá-los a abandonar o consumismo mais conspícuo:


“Honras de tal forma teus excrementos a ponto de recebê-los em vasilhas de prata quando outro homem criado à imagem de Deus está morrendo de frio?”


— João Crisóstomo