"AO CONTRÁRIO DE MUITOS, NÃO NEGOCIAMOS A PALAVRA DE DEUS VISANDO A ALGUM LUCRO; ANTES, EM CRISTO FALAMOS DIANTE DE DEUS COM SINCERIDADE, COMO HOMENS ENVIADOS POR DEUS". 2 Coríntios 2. 17



terça-feira, 26 de julho de 2016

* Orígenes / Biografia


Nascido em 185 d.C., provavelmente em Alexandria, filho de pais cristãos, Orígenes (185-253) foi uma espécie de garoto prodígio. Incentivado pelo pai, não apenas memorizou trechos enormes da Bíblia, mas também investigou o significado mais profundo de cada um deles. Seu pai, encantado com o amor do filho pelo Senhor e pela Bíblia, ia à noite ao quarto do menino, enquanto ele dormia, e beijava-lhe o peito “como se fosse o templo do espírito divino”, dando graças a Deus por lhe ter concedido uma criança tão promissora.1 Quando, no ano 202, o imperador Septímio Severo começou a perseguir a igreja, Orígenes, então com dezessete anos, pediu ao pai que não fraquejasse: “Olhe, por nossa causa, não mude de ideia”.2 Tudo indica que o pai ouviu o filho, pois morreu durante a perseguição. 

“O grande mestre da Igreja depois dos apóstolos.” Foi assim que Jerônimo, tradutor da Bíblia Vulgata latina, se referiu a Orígenes, um teólogo do terceiro século. Mas nem todos estimavam tanto a Orígenes. Alguns o consideravam uma raiz do mal de onde se originavam as heresias. Conforme disse um escritor do século 17, os críticos de Orígenes afirmavam: “Sua doutrina é de modo geral absurda e perniciosa, um veneno serpentino mortífero que ele vomitou no mundo.” Cerca de três séculos depois de sua morte, Orígenes foi oficialmente declarado herege.
POR QUE Orígenes despertou tanto admiração quanto rivalidade? Que influência ele teve no desenvolvimento das doutrinas da Igreja?

Zelo pela Igreja

Orígenes nasceu por volta de 185 EC, em Alexandria, no Egito. Obteve amplo conhecimento da literatura grega, mas seu pai, Leonides, o obrigou a dedicar-se igualmente ao estudo das Escrituras. Quando Orígenes tinha 17 anos, o imperador romano baixou um decreto transformando a mudança de religião em crime. O pai de Orígenes foi preso porque havia se tornado cristão. Jovem e cheio de zelo, Orígenes estava determinado a juntar-se ao pai na prisão e no martírio. Ao perceber isso, a mãe dele escondeu suas roupas para impedir que fosse embora de casa. Por carta, ele implorou a seu pai: “Cuidado! Não mude de idéias por nossa causa.” Leonides continuou firme e foi executado, deixando a família na pobreza. Mas Orígenes já estava bem adiantado nos estudos, o suficiente para poder sustentar a mãe e seis irmãos mais novos dando aulas de literatura grega.
O objetivo do imperador era impedir o avanço do cristianismo. Visto que o decreto não afetava apenas alunos, mas também instrutores, todos os instrutores religiosos cristãos fugiram de Alexandria. Quando alguns não-cristãos apelaram para o jovem Orígenes em busca de orientação bíblica, ele assumiu essa obra como comissão divina. Muitos de seus alunos foram martirizados, alguns mesmo antes de completar os estudos. Correndo grande risco, Orígenes incentivava abertamente seus alunos, quer estivessem diante de um juiz quer na prisão, ou prestes a ser executados. Eusébio, historiador do quarto século, relata que quando eles estavam sendo conduzidos à execução, Orígenes “os cumprimentava corajosamente com um beijo”.
Muitos que não eram cristãos ficaram irados com Orígenes por considerá-lo responsável pela conversão e morte de seus amigos. Por diversas vezes ele escapou por um triz de turbas e de uma morte violenta. Embora fosse obrigado a mudar-se constantemente para escapar dos seus perseguidores, ele não diminuiu suas atividades de ensino. Sua coragem e dedicação impressionaram Demétrio, bispo de Alexandria. Por isso, Demétrio nomeou Orígenes, de apenas 18 anos de idade, diretor da escola de instrução religiosa em Alexandria.
Com o tempo, Orígenes tornou-se erudito notável e escritor prolífero. Alguns disseram que ele escreveu 6.000 livros, embora é provável que isso seja um exagero. Sua obra mais conhecida é a Hexapla, uma gigantesca versão de 50 volumes das Escrituras Hebraicas. Ele dispôs a Hexapla em seis colunas paralelas, contendo: (1) o texto hebraico e aramaico, (2) uma transliteração desse texto para o grego, (3) a versão grega de Áquila, (4) a versão grega de Símaco, (5) a Septuaginta grega, que ele revisou para corresponder mais exatamente ao texto hebraico, e (6) a versão grega de Teodocião. “Com essa combinação de textos”, escreveu o erudito bíblico John Hort, “Orígenes esperava elucidar o significado de muitas passagens nas quais o leitor grego ficaria confuso ou seria enganado caso tivesse diante de si apenas a Septuaginta”.

‘Ir além das coisas escritas’

Contudo, a confusão religiosa no terceiro século afetou profundamente os ensinos de Orígenes sobre as Escrituras. Embora a cristandade estivesse apenas engatinhando, já havia se poluído com crenças antibíblicas, e suas igrejas espalhadas ensinavam diversas doutrinas.
Orígenes aceitou algumas dessas doutrinas antibíblicas, chamando-as de ensinos dos apóstolos. Mas ele se sentiu à vontade para especular sobre outros assuntos. Muitos de seus alunos se debatiam com questões filosóficas da época. Com o objetivo de ajudá-los, Orígenes fez um estudo profundo sobre as diversas escolas filosóficas que estavam formando a opinião de seus jovens alunos. Ele se empenhou em dar a eles respostas satisfatórias às suas questões filosóficas.
Na tentativa de conciliar a Bíblia com a filosofia, Orígenes se valeu do método alegórico de interpretar as Escrituras. Ele presumiu que as Escrituras sempre tinham um significado espiritual, mas não necessariamente literal. Como disse um erudito, isso deu a Orígenes “os meios de extrair da Bíblia quaisquer conceitos antibíblicos que se harmonizassem com seu próprio sistema teológico, apesar de ele professar ser (e sem dúvida acreditava sinceramente nisso) um intérprete especialmente entusiasta e fiel do pensamento bíblico”.
Uma carta de Orígenes a um de seus alunos nos ajuda a entender sua maneira de pensar. Ele disse que os israelitas usaram ouro egípcio para fazer utensílios para o templo de Jeová, e entendia que isso fornecia apoio alegórico ao uso da filosofia grega para ensinar o cristianismo. Ele escreveu: “Quão úteis para os filhos de Israel foram as coisas levadas do Egito, as quais os egípcios não haviam usado de maneira correta, mas que os hebreus, orientados pela sabedoria divina, empregaram no serviço a Deus!” Dessa maneira, Orígenes incentivou seu aluno a “extrair da filosofia dos gregos o que pudesse servir como assunto de estudo ou preparação para o cristianismo”.
Essa abordagem irrestrita à interpretação bíblica anuviou os limites entre a doutrina cristã e a filosofia grega. Por exemplo, em seu livro intitulado De Principiis (Primeiros Princípios)Orígenes descreveu Jesus como ‘Filho unigênito, que nasceu, mas que não teve princípio’. E acrescentou: ‘Sua geração é eterna e infinita. Ele se torna Filho não pelo recebimento do fôlego de vida, por algum ato externo, mas pela própria natureza de Deus.’
Orígenes não encontrou essa ideia na Bíblia, porque as Escrituras ensinam que o Filho unigênito de Jeová é “o primogênito de toda a criação” e “o princípio da criação de Deus”. (Colossenses 1:15; Revelação [Apocalipse] 3:14) De acordo com o historiador religioso Augustus Neander, Orígenes chegou ao conceito de “geração eterna” por meio de sua “educação filosófica na escola platônica”. Dessa maneira, Orígenes violou o princípio bíblico básico: “Não vades além das coisas que estão escritas.” — 1 Coríntios 4:6.

Condenado por heresia

Havia passado pouco tempo desde que Orígenes tinha se tornado instrutor quando um sínodo alexandrino o destituiu do sacerdócio. Isso provavelmente ocorreu porque o bispo Demétrio ficou com ciúme de sua crescente fama. Orígenes mudou-se para a Palestina, onde ainda tinha a fama de defensor da doutrina cristã e continuou a servir como sacerdote ali. De fato, quando surgiram “heresias” no Oriente, ele foi procurado para convencer os bispos errantes a retornar à ortodoxia. Depois de sua morte em 254 EC, a reputação de Orígenes sofreu um abalo. Por quê?
Depois de o cristianismo nominal tornar-se uma religião importante, a Igreja passou a definir de maneira mais restritiva o que era aceito como ensino ortodoxo. Assim, gerações posteriores de teólogos não aceitaram muitos conceitos filosóficos especulativos e, às vezes, imprecisos de Orígenes. Por isso, os ensinamentos dele provocaram amargas controvérsias dentro da Igreja. Na tentativa de resolver essas controvérsias e preservar sua unidade, a Igreja condenou Orígenes formalmente por heresia.
Ele não foi o único a cometer erros. Na verdade, a Bíblia havia predito um desvio geral dos ensinos genuínos de Cristo. Essa apostasia começou a se desenvolver no fim do primeiro século, depois da morte dos apóstolos de Jesus. (2 Tessalonicenses 2:6, 7) Com o tempo, certos professos cristãos assumiram a posição de “ortodoxos”, afirmando que todos os outros eram “hereges”. Mas na realidade a cristandade desviou-se muito do verdadeiro cristianismo.

O “falsamente chamado ‘conhecimento’ ”

Apesar das muitas especulações de Orígenes, suas obras contêm elementos benéficos. Por exemplo, a Hexapla conservou a forma original do nome de Deus em quatro letras hebraicas, chamadas de Tetragrama. Isso é uma prova importante de que os primitivos cristãos conheciam e usavam o nome pessoal de Deus, Jeová. Contudo, Teófilo, patriarca da Igreja que viveu no quinto século, advertiu: “As obras de Orígenes são como uma campina com flores de todo tipo. Se encontro uma flor bonita, eu a apanho; mas se alguma coisa me parece espinhosa eu a evito como faria com um espinho.”
Por misturar ensinos bíblicos com filosofia grega, a teologia de Orígenes ficou repleta de erros, e as conseqüências foram desastrosas para a cristandade. Por exemplo, embora a maioria das especulações infundadas de Orígenes acabassem sendo rejeitadas, seus conceitos sobre a “geração eterna” de Cristo ajudaram a lançar a base para a doutrina antibíblica da Trindade. O livro The Church of the First Three Centuries(A Igreja dos Primeiros Três Séculos) observa: “O gosto pela filosofia [introduzido por Orígenes] estava destinado a não ser logo extinto.” Com que resultado? “A simplicidade da fé cristã foi corrompida, e uma infinidade de erros foi introduzida na Igreja.”
Orígenes podia ter seguido o conselho do apóstolo Paulo e evitado contribuir para essa apostasia ‘desviando-se dos falatórios vãos, que violam o que é santo, e das contradições do falsamente chamado “conhecimento”’. Por basear tantos de seus ensinos em tal “conhecimento”, Orígenes ‘se desviou da fé’. — 1 Timóteo 6:20, 21;Colossenses 2:8.
A “Hexapla” de Orígenes mostra que as Escrituras Gregas Cristãs continham o nome de Deus.

Fonte: 

Biblioteca On Line da Torre de Vigia 
Editora Vida Nova 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

💪 Nós aprendemos com Jesus que a verdadeira masculinidade não é simplesmente manter nossos narizes limpos e nossa casa em ordem. A verdadeira masculinidade significa enxergar além de nós mesmos para amar nosso próximo – e nosso próximo é qualquer um que encontramos em necessidade. O homem de verdade livremente doa seu tempo, recursos, atenção, energia e apoio emocional para aqueles que precisam, sem se preocupar em como eles podem retribuir. Seja você casado ou solteiro, se você não está servindo ao seu próximo abnegadamente e sacrificialmente, você não está exercendo completamente a masculinidade bíblica.

Phillip Holmes



Postagens populares

.

DOUTOR DA IGREJA GREGA - MAIOR PREGADOR DA IGREJA PRIMITIVA - MESTRE DA RETÓRICA, DA HOMILÉTICA!

DOUTOR DA IGREJA GREGA - MAIOR PREGADOR DA IGREJA PRIMITIVA - MESTRE DA RETÓRICA, DA HOMILÉTICA!
Você deseja honrar o corpo de Cristo? Não o ignore quando ele está nu. Não o homenageie no templo vestido com seda quando o negligencia do lado de fora, onde ele está malvestido e passando frio. Ele que disse "Este é o meu corpo" é o mesmo que diz "Tu me vistes faminto e não me destes comida" e «quantas vezes o fizestes a um destes meus irmãos mais pequeninos, a mim o fizestes» (Mateus 25:40)... Que importa se a mesa eucarística está lotada de cálices de ouro quando seu irmão está morrendo de fome? Comeces satisfazendo a fome dele e, depois, com o que sobrar, poderás adornar também o altar.

João Crisóstomo, Comentário sobre Mateus

♛ Uma das características mais recorrentes das homilias de João Crisóstomo (347-407) é sua ênfase no cuidado com os necessitados. Ecoando temas do Evangelho de Mateus, ele exorta os ricos a abandonarem o materialismo para ajudar os pobres, empregando todas as suas habilidades retóricas para envergonhar os ricos e obrigá-los a abandonar o consumismo mais conspícuo:


“Honras de tal forma teus excrementos a ponto de recebê-los em vasilhas de prata quando outro homem criado à imagem de Deus está morrendo de frio?”


— João Crisóstomo


-

OREM PELOS CRISTÃOS

OREM PELOS CRISTÃOS