"AO CONTRÁRIO DE MUITOS, NÃO NEGOCIAMOS A PALAVRA DE DEUS VISANDO A ALGUM LUCRO; ANTES, EM CRISTO FALAMOS DIANTE DE DEUS COM SINCERIDADE, COMO HOMENS ENVIADOS POR DEUS". 2 Coríntios 2. 17



sábado, 19 de setembro de 2015

* Teologia do Pacto / Definição



Pergunta: "O que é Teologia do Pacto? Ela é bíblica?"

Resposta: 
Teologia do Pacto é baseada na teoria de que Deus tem apenas um pacto com os homens (aliança / pacto da graça) e apenas um povo, representados pelos santos do Velho e do Novo Testamento – um povo, uma igreja e um plano para todos. Essas crenças exigem que aqueles que defendem a Teologia do Pacto interpretem profecias de uma forma não literal. Dispensacionalismo, por outro lado, é um sistema de teologia com duas características principais: (1) uma interpretação literal das Escrituras, principalmente profecia bíblica, e (2) uma distinção entre Israel e a Igreja no programa de Deus.

Aqueles que defendem a Teologia do Pacto acreditam que existe, e sempre tem existido, apenas um povo de Deus. Eles acreditam que Israel era a Igreja do Velho Testamento, e a Igreja é Israel no Novo Testamento. As promessas de terra, muitos descendentes e benção feitas a Israel no Velho Testamento têm sido “espiritualizadas” e aplicadas à Igreja no Novo Testamento por causa da descrença de Israel e da sua rejeição do Messias. Aqueles que defendem a Teologia do Pacto não interpretam profecia no seu sentido natural. Por exemplo, em Apocalipse 20, o reino milenar de Cristo é descrito. A Teologia do Pacto diria que o número 1000 é simbólico e não significa realmente 1000 anos. Eles diriam que estamos no milênio agora, que o reino de Cristo com os santos está acontecendo agora mesmo no céu, e que o reino de 1000 anos é simbólico, começando com a primeira vinda de Cristo e terminando quando Ele retornar.

De acordo com as Escrituras, a Teologia do Pacto está errada em como a nação de Israel é vista e como profecia é interpretada. O método adequado de interpretar as Escrituras é interpretá-la no seu sentido normal. A menos que o texto indique que está usando linguagem figurativa, o texto deve ser entendido literalmente. Quando as Escrituras falam de Israel, não está se referindo à Igreja, e quando está falando da Igreja, não está se referindo a Israel. Deus tem um plano para Israel e um outro plano para a Igreja. Além disso, em referência à profecia, todas as profecias cumpridas até agora foram cumpridas literalmente, não figurativamente. Cristo cumpriu literalmente as profecias do Velho Testamento sobre o Messias quando Ele veio uns 2000 mil anos atrás. Não há nenhum motivo para acharmos que as profecias ainda não cumpridas devem ser entendidas de uma forma figurativa. Assim como aquelas no passado, profecia futura vai ser realizada literalmente no futuro.

Em Romanos 11:1, Paulo faz uma pergunta sobre o futuro de Israel e responde definitivamente: “Pergunto, pois: terá Deus, porventura, rejeitado o seu povo? De modo nenhum!” O resto do capítulo deixa bem claro que Israel passou por um “endurecimento”, ou seja, foi temporariamente colocada de lado “até que haja entrado a plenitude dos gentios” (Romanos 11:25). Israel não se tornou a Igreja, ao contrário, a Igreja foi “enxertada” (v.17) à raiz da família de Deus, criando um só corpo da união dos dois, permanecendo distintas quanto à origem, mas unidas em fé. Se a Igreja era para substituir Israel, a ilustração seria de uma árvore (Israel) sendo arrancada e substituída por uma outra (a Igreja). Mas a ilustração de um galho sendo enxertado em uma árvore é bem clara. Esse é o “mistério” do qual Paulo fala no versículo 25. Um mistério no Novo Testamento se refere a algo previamente não revelado, e a idéia de um outro grupo de pessoas fazendo parte do povo escolhido de Deus era novidade para os judeus daquela época.

Vai Deus desamparar Seu povo Israel? Não, Deus não vai desamparar o Seu povo. Pelo contrário, a passagem a partir do versículo 26 diz: “todo o Israel será salvo”. No futuro, “Virá de Sião o Libertador e ele apartará de Jacó as impiedades.” Aqui está a promessa de Deus ao Seu povo escolhido para a sua futura restauração. Que plano glorioso! Não é de espantar que ao contemplar tal plano, Paulo exclamou: “Ó profundidade da riqueza, tanto da sabedoria como do conhecimento de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis, os seus caminhos!” Deus é fiel, misericordioso e Seus planos são sempre perfeitos; um dia os judeus e gentios vão louvar ao Senhor Jesus Cristo como um só corpo.


A Teologia do Pacto e a Nova Aliança com Bp. Walter McAlister 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

💪 Nós aprendemos com Jesus que a verdadeira masculinidade não é simplesmente manter nossos narizes limpos e nossa casa em ordem. A verdadeira masculinidade significa enxergar além de nós mesmos para amar nosso próximo – e nosso próximo é qualquer um que encontramos em necessidade. O homem de verdade livremente doa seu tempo, recursos, atenção, energia e apoio emocional para aqueles que precisam, sem se preocupar em como eles podem retribuir. Seja você casado ou solteiro, se você não está servindo ao seu próximo abnegadamente e sacrificialmente, você não está exercendo completamente a masculinidade bíblica.

Phillip Holmes



Postagens populares

.

DOUTOR DA IGREJA GREGA - MAIOR PREGADOR DA IGREJA PRIMITIVA - MESTRE DA RETÓRICA, DA HOMILÉTICA!

DOUTOR DA IGREJA GREGA - MAIOR PREGADOR DA IGREJA PRIMITIVA - MESTRE DA RETÓRICA, DA HOMILÉTICA!
Você deseja honrar o corpo de Cristo? Não o ignore quando ele está nu. Não o homenageie no templo vestido com seda quando o negligencia do lado de fora, onde ele está malvestido e passando frio. Ele que disse "Este é o meu corpo" é o mesmo que diz "Tu me vistes faminto e não me destes comida" e «quantas vezes o fizestes a um destes meus irmãos mais pequeninos, a mim o fizestes» (Mateus 25:40)... Que importa se a mesa eucarística está lotada de cálices de ouro quando seu irmão está morrendo de fome? Comeces satisfazendo a fome dele e, depois, com o que sobrar, poderás adornar também o altar.

João Crisóstomo, Comentário sobre Mateus

♛ Uma das características mais recorrentes das homilias de João Crisóstomo (347-407) é sua ênfase no cuidado com os necessitados. Ecoando temas do Evangelho de Mateus, ele exorta os ricos a abandonarem o materialismo para ajudar os pobres, empregando todas as suas habilidades retóricas para envergonhar os ricos e obrigá-los a abandonar o consumismo mais conspícuo:


“Honras de tal forma teus excrementos a ponto de recebê-los em vasilhas de prata quando outro homem criado à imagem de Deus está morrendo de frio?”


— João Crisóstomo


-

OREM PELOS CRISTÃOS

OREM PELOS CRISTÃOS