"AO CONTRÁRIO DE MUITOS, NÃO NEGOCIAMOS A PALAVRA DE DEUS VISANDO A ALGUM LUCRO; ANTES, EM CRISTO FALAMOS DIANTE DE DEUS COM SINCERIDADE, COMO HOMENS ENVIADOS POR DEUS". 2 Coríntios 2. 17



segunda-feira, 25 de agosto de 2014

* 10 Maneiras Práticas de Como Matar um Missionário / Raquel Elana

Avatar de Raquel ElanaRaquel Elana, formada em Teologia, Pós Graduação em Jornalismo Político/ (Jornalista – MTb 15.280/MG) e Ministérios Criativos pelo IBIOL de Londres, é autora de 3 livros, entre eles: Anjos no Deserto - uma coletânea de testemunhos dos seus quase 10 anos de trabalho no Oriente Médio. Desde o ano passado está envolvida com o trabalho de atendimento aos refugiados da guerra civil da Síria. 

                 10 MANEIRAS PRÁTICAS DE COMO MATAR UM MISSIONÁRIO 

 Você já matou um missionário hoje? Estranhou a pergunta? Mas é o que justamente nós fazemos com eles em muitas ocasiões. Abaixo veja 10 coisas que nós fazemos que matam aos poucos os nossos queridos missionários:


1) Comece deixando de orar por ele;
2) Na igreja, passe a plantar fofocas e intrigas a respeito dele, expondo seus defeitos e erros, assim cada um se preocupará com banalidades e se esquecerá da obra a ser realizada;
3) Se você for pastor ou líder da igreja, jamais pregue ou fale a respeito de missões, afinal (como muitos dizem) esta responsabilidade não é sua, é de gente especializada;
4) Sinta muita vontade de escrever para o missionário, mas nunca escreva, afinal você não sabe muito bem fazer isso e não tem muito tempo, têm muitas responsabilidades na vida, ele precisa entender isso;
5) Se por acaso não resistir a tentação de escrever, escreva, mas sempre cobrando alguma coisa dele, por exemplo quantas almas ganhou?
6) Esqueça datas importantes, como o aniversário dele, da esposa, dos filhos;
7) Nunca demonstre seu amor por ele, ele não precisa disso, ele é missionário, é conectado com Deus o tempo todo;
8) Nunca envie uma mensagem de ânimo, afinal todo missionário é um “super crente”, e portanto não precisa dessas coisas bestas para encher seu “ego”, afinal, seria até pecado um missionário ficar recebendo elogios e palavras de ânimo;
9) Mantenha o seguinte pensamento: todo missionário precisa passar fome e necessidades para atingir o êxtase espiritual, como se ele fosse um guru indiano, afinal, o poder se aperfeiçoa na fraqueza, não é?
10) Pare imediatamente de contribuir financeiramente, pois além das suas prioridades, você já viu alguém dizer em algum lugar que: o missionário viverá pela fé.
Faça algumas dessas coisas ou todas elas e a chance de você matar ou ir matando o missionário um pouquinho por dia é muito grande!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E SE FOSSE VOCÊ?

E SE FOSSE VOCÊ?

Postagens populares

.

DOUTOR DA IGREJA GREGA - MAIOR PREGADOR DA IGREJA PRIMITIVA - MESTRE DA RETÓRICA, DA HOMILÉTICA!

DOUTOR DA IGREJA GREGA - MAIOR PREGADOR DA IGREJA PRIMITIVA - MESTRE DA RETÓRICA, DA HOMILÉTICA!
Você deseja honrar o corpo de Cristo? Não o ignore quando ele está nu. Não o homenageie no templo vestido com seda quando o negligencia do lado de fora, onde ele está malvestido e passando frio. Ele que disse "Este é o meu corpo" é o mesmo que diz "Tu me vistes faminto e não me destes comida" e «quantas vezes o fizestes a um destes meus irmãos mais pequeninos, a mim o fizestes» (Mateus 25:40)... Que importa se a mesa eucarística está lotada de cálices de ouro quando seu irmão está morrendo de fome? Comeces satisfazendo a fome dele e, depois, com o que sobrar, poderás adornar também o altar.

João Crisóstomo, Comentário sobre Mateus

♛ Uma das características mais recorrentes das homilias de João Crisóstomo (347-407) é sua ênfase no cuidado com os necessitados. Ecoando temas do Evangelho de Mateus, ele exorta os ricos a abandonarem o materialismo para ajudar os pobres, empregando todas as suas habilidades retóricas para envergonhar os ricos e obrigá-los a abandonar o consumismo mais conspícuo:


“Honras de tal forma teus excrementos a ponto de recebê-los em vasilhas de prata quando outro homem criado à imagem de Deus está morrendo de frio?”


— João Crisóstomo