quarta-feira, 4 de junho de 2014

Acervo da Teologia

*Os Pais Capadócios / Definição

Os Pais Capadócios


Em tempos de novela da Capadócia, é oportuno lembrar "Os Três Capadócios" cuja memória a igreja celebra neste dia.

O texto é do livro Fundamentos da teologia histórica, de Alderi Souza de Matos, professor de História da Igreja e coordenador da área de Teologia Histórica do Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper, da Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo:
OS PAIS CAPADÓCIOS
Esses importantes pensadores cristãos gregos dominaram o cenário teológico na segunda metade do século IV e trabalharam juntos para tornar vitoriosa a fé nicena. Eram amigos de Atanásio e desenvolveram o seu pensamento teológico, criando as fórmulas que tornaram possível o consenso da maior parte dos teólogos orientais em torno da questão trinitária. 
Os capadócios tomaram para si a tarefa de definir mais claramente a unidade e a diversidade existentes no Ser Divino, inclusive a terminologia adequada para isto, ou seja, de que em Deus há três hipóstases (subsistências individuais ou pessoas) e apenas uma “ousia” ou essência divina. Todos os três viveram na Capadócia, a região oriental da Ásia Menor, parte da moderna Turquia.

Basílio de Cesareia
Basilio de Cesaréia (330-379) nasceu em uma família abastada e profundamente cristã, tendo sido o irmão mais velho de outro teólogo, Gregório de Nissa. Eles tinham uma irmã muito inteligente, Macrina (327-380), que participava de suas discussões teológicas e os influenciou fortemente. 
Basílio fez os primeiros estudos em sua terra natal (Cesaréia, na Capadócia) e em Constantinopla, indo em 351 para Atenas, onde se tornou amigo de Gregório de Nazianzo. Retornou a Cesaréia por volta de 356 e ensinou retórica com grande sucesso. Abandonando uma promissora carreira na educação, resolveu dedicar-se à vida religiosa. Após ser batizado, viveu por vários anos como eremita. Deixou o isolamento em 364 a pedido do seu bispo, que estava enfrentando muita oposição de arianos extremistas. Foi ordenado presbítero e passou a escrever livros contra Eunômio, o líder desse grupo. Após a morte de Eusébio em 370, sucedeu-o como bispo de Cesaréia, função que o levou a envolver-se em controvérsias com os arianos, com os pneumatômacos ou macedonianos (que negavam a divindade do Espírito Santo) e com o imperador Valente (364-378). Destacou-se como líder monástico, administrador e teólogo. 
Todas as obras teológicas de Basílio tiveram o objetivo de refutar os erros da época. As principais foram Contra Eunômio e Sobre o Espírito Santo. Rebatendo o ariano radical Eunômio, argumentou que não há contradição em dizer que o Filho é ao mesmo tempo gerado e eterno, ou dizer que ele é eternamente gerado. Refutando a acusação de triteísmo, afirmou e defendeu pela primeira vez a fórmula que resolveu em definitivo a controvérsia trinitária: no Ser Divino há uma só “ousia” (essência, substância) e três hipóstases (distinções pessoais).
Sua notável personalidade e enorme popularidade fizeram dele o mediador ideal entre o Oriente e o Ocidente. Através da sua influencia conciliadora e do trabalho dos seus colegas, a confusão sobre a terminologia nicena foi resolvida.
Basílio deu mais atenção ao Espírito Santo que os teólogos anteriores, mostrando que a terceira pessoa da Trindade não é uma criatura, e sim consubstancial com o Pai e o Filho. A defesa da divindade do Espírito Santo fica mais clara em suas muitas cartas. Seus argumentos são moderados, evitando polêmicas. Chegou a alterar a antiga doxologia usada em Cesaréia: “Glória seja ao Pai, por meio do Filho, juntamente com o (ao invés de simplesmente “no”) Espírito Santo”. Foi o primeiro teólogo cristão a escrever um tratado inteiro sobre o Espírito Santo e por isso ficou conhecido como “o teólogo do Espírito Santo”. Seu mérito foi introduzir definitivamente a terceira pessoa da Trindade na controvérsia ariana.

Gregório de Nazianzo
Gregório de Nazianzo (c. 330-390), amigo e colega de Basílio, era filho de um bispo. Sendo dotado de temperamento sensível, tinha predileção pela vida contemplativa e destacou-se como orador e poeta. Ficou conhecido na história como “o teólogo”. Ele foi patriarca de Constantinopla por breve tempo e presidiu o Concilio de Constantinopla (381). É dele o famoso dito ou principio cristológico e soteriológico de que “aquilo que não é assumido não é curado” (Epístola 101 a Cledônio). O melhor da sua produção teológica não está em tratados sistemáticos, mas em seus sermões, poemas e cartas, especialmente nos chamados Discursos teológicos, um conjunto de cinco sermões que marcaram a plena elaboração do pensamento trinitário. Como Basílio, ele também refutou o ariano extremado Eunômio, que afirmava que o Filho é inteiramente diferente do Pai (anomoios). 
Sua grande contribuição ã doutrina trinitária foi a ênfase no relacionamento interno entre as três pessoas divinas. Argumentou que as únicas distinções que podem ser estabelecidas entre as três pessoas da Trindade são aquelas referentes à origem de cada uma: o Pai é não-gerado, o Filho é gerado e o Espírito Santo é “procedente”. Dai falar-se na “processão” do Espírito.

Gregório de Nissa
Gregório de Nissa (c. 335-395) era um irmão mais novo de Basílio Magno, e destacou-se como teólogo e expoente do misticismo. E considerado o mais brilhante dos capadócios, tendo feito melhor uso da filosofia grega (neoplatonismo) que os seus colegas.
Ele produziu escritos teológicos e exegéticos, assim como tratados sobre moralidade cristã e uma biografia de sua irmã Macrina. Recebeu grande influência de Orígenes, embora não o tenha seguido de modo servil. 
Suas obras exegéticas tratam especialmente do sentido místico ou espiritual das Escrituras, tendo sido um dos primeiros a se referir à cruz como o anzol que fisgou Satanás. Suas obras trinitárias são: Sobre a Santa Trindade, Não três deuses: para Ablábio e Contra Eunômio, sendo a última uma tentativa de continuar a obra de Basílio. Fez o discurso inaugural do Concilio de Constantinopla. 
À semelhança de Gregório Nazianzeno, afirmou que a única distinção possível das pessoas da Trindade deve basear-se em suas relações internas. Ao contrário de Atanásio, que relacionou a divindade do Filho com a salvação, o método teológico dos capadócios foi fazer uso de argumentos lógicos e bíblicos. 
Sua principal contribuição ao pensamento trinitário foi a refutação da acusação de triteísmo feita pelos adversários. A diferença que existe entre três indivíduos humanos (como Pedro, Tiago e João) e as três pessoas da Trindade é que, embora cada conjunto partilhe de uma natureza comum (respectivamente humana e divina), os primeiros agem de modo distinto e independente um do outro, ao passo que em Deus toda a atividade é uma só, toda operação é comum às três pessoas da Divindade.

A relevância dos capadócios

A principal crítica feita aos pais capadócios é que eles deram ênfase quase exclusiva às especulações sobre a Trindade imanente ou ontológica (os relacionamentos interpessoais na eternidade), enquanto o Novo Testamento dá ênfase à Trindade econômica, ou seja, as atividades das três pessoas no mundo e na história da salvação. 
No aspecto positivo, esses teólogos desempenharam importante papel no reconhecimento da plena divindade do Espírito Santo, dando um passo decisivo para a declaração completa da doutrina da Trindade. A principal ênfase dos capadócios foi a defesa da unidade de Deus. A única Divindade existe simultaneamente em três distintos “modos de ser” — Pai, Filho e Espírito Santo. 
Uma característica distintiva dessa abordagem da Trindade é a prioridade atribuída ao Pai: ele é a fonte ou origem da Trindade, o fundamento da sua unidade. O ser do Pai é comunicado tanto ao Filho quanto ao Espírito de maneira distinta: o Filho é “gerado” do Pai e o Espírito “procede” ou “emana” do Pai. Respondendo à indagação de como uma só substância pode estar presente em três pessoas, os capadócios recorreram à relação entre o universal e o particular — o futuro realismo medieval, abordado na segunda parte deste livro.
 O Concilio de Constantinopla (381) foi convocado pelo enérgico imperador Teodósio I, que no ano anterior havia oficializado o cristianismo católico e trinitário como a religião do Império Romano. Esse concílio coroou de uma vez por todas os esforços de Atanásio e dos capadócios ao condenar todos os tipos de subordinacionismo (hierarquia) e sabelianismo (ausência de distinções pessoais) dentro da Trindade. Ele revisou o Credo de Nicéia, tornando mais claras certas expressões e acrescentando um terceiro artigo sobre o Espírito Santo e a Igreja. Esse importante documento ficou conhecido na história da Igreja como Credo niceno ou niceno-constantinopolitano.

Ícone retratando Constantino (centro) e os Pais do Primeiro Concílio de Nicéia (325).

Fonte: MATOS, Alderi Souza de. Fundamentos da teologia histórica. São Paulo: Mundo Cristão, 2008.

TEOLOGIA LUTERANA  

Acervo da Teologia

About Acervo da Teologia -

Author Description here.. Nulla sagittis convallis. Curabitur consequat. Quisque metus enim, venenatis fermentum, mollis in, porta et, nibh. Duis vulputate elit in elit. Mauris dictum libero id justo.

Subscribe to this Blog via Email :