"AO CONTRÁRIO DE MUITOS, NÃO NEGOCIAMOS A PALAVRA DE DEUS VISANDO A ALGUM LUCRO; ANTES, EM CRISTO FALAMOS DIANTE DE DEUS COM SINCERIDADE, COMO HOMENS ENVIADOS POR DEUS". 2 Coríntios 2. 17



sábado, 8 de junho de 2013

*Pós-Tribulacionismo / Definição

Quais são os pontos fortes e fracos da visão Pós-tribulacional do Arrebatamento (Pós-tribulacionismo)?



Pergunta: "Quais são os pontos fortes e fracos da visão pós-tribulacional do Arrebatamento (Pós-tribulacionismo)?"

Resposta:Ao considerar qualquer questão envolvendo a escatologia (o estudo do fim dos tempos), é importante lembrar-se de que quase todos os cristãos concordam com estas três coisas:

1) Está chegando um momento de grande Tribulação tal como o mundo nunca viu;

2) Depois da Tribulação, Cristo voltará para estabelecer o Seu reino na terra;

3) Haverá um Arrebatamento -- "repentina transição" da mortalidade para a imortalidade -- para os crentes, assim como descrito em João 14:1-3, 1 Coríntios 15:51-52 e 1 Tessalonicenses 4:16-17. A única questão em relação ao tempo do Arrebatamento é a seguinte: quando ele ocorrerá em relação à Tribulação e à Segunda Vinda?

Existem basicamente três teorias sobre o momento do Arrebatamento: a crença de que ocorrerá antes da Tribulação (Pré-tribulacionismo), a crença de que ocorrerá na metade da Tribulação (Mesotribulacionismo) e a crença de que ocorrerá no final da Tribulação (Pós-tribulacionismo). Este artigo trata especificamente do ponto de vista pós-tribulacional.

O Pós-tribulacionismo ensina que o Arrebatamento ocorre no final, ou perto do final, da Tribulação. Naquela época, a igreja irá encontrar Cristo no ar e em seguida retornar à terra para o início do Reino de Cristo na terra. Em outras palavras, o Arrebatamento e a Segunda Vinda de Cristo (para estabelecer o Seu Reino) acontecem quase simultaneamente. Segundo essa visão, a igreja passa por toda a Tribulação de sete anos. O Catolicismo Romano, a Ortodoxia grega e muitas denominações protestantes defendem uma visão pós-tribulacional do Arrebatamento.

Um ponto forte do Pós-tribulacionismo é que Jesus, em Seu amplo discurso sobre o fim dos tempos, diz que voltará depois de uma "grande tribulação" (Mateus 24:21, 29). Além disso, o livro do Apocalipse, com todas as suas várias profecias, menciona apenas uma vinda do Senhor -- e isso ocorre após a Tribulação (Apocalipse 19-20). Passagens como Apocalipse 13:7 e 20:9 também dão apoio ao Pós-tribulacionismo porque certamente haverá santos na Tribulação. Além disso, a ressurreição dos mortos em Apocalipse 20:5 é chamada de a "primeira ressurreição". Os pós-tribulacionistas afirmam que, já que esta "primeira" ressurreição ocorre após a Tribulação, a ressurreição associada com o Arrebatamento em 1 Tessalonicenses 4:16 não pode ocorrer até então.

Os pós-tribulacionistas também apontam que, historicamente, o povo de Deus tem passado por momentos de intensa perseguição e julgamento. Por isso, dizem eles, não deve ser surpreendente que a igreja também passe pela Grande Tribulação do fim dos tempos. Em relação a isso, o ponto de vista pós-tribulacional distingue a "ira de Satanás" (ou "a ira do homem") da "ira de Deus" no livro do Apocalipse. A ira de Satanás é dirigida aos santos, e Deus a permite como um meio de purificação dos seus fiéis. Por outro lado, a ira de Deus é derramada sobre o Anticristo e seu reino ímpio, e Deus irá proteger o Seu povo dessa punição.

Um ponto fraco do Pós-tribulacionismo é o claro ensino da Escrituras de que aqueles que estão em Cristo não estão sob condenação e nunca experimentarão a ira de Deus (Romanos 8:1). Embora alguns julgamentos durante a Tribulação sejam especificamente aos que não são salvos, muitos outros julgamentos, como os terremotos, estrelas cadentes e fomes, afetarão os crentes e descrentes igualmente. Assim, se os crentes passarem pela Tribulação, eles experimentarão a ira de Deus, em contradição com Romanos 8:1.

Um outro ponto fraco do ponto de vista pós-tribulacional é que deve, em certa medida, alegorizar a Tribulação. Muitos pós-tribulacionistas ensinam que estamos vivendo na Tribulação agora; na verdade, alguns dizem que a Tribulação começou imediatamente após o Pentecostes em Atos 2. Tal ensino ignora a natureza singular da Tribulação tal como apresentada nas Escrituras (Mateus 24:21) -- que será um tempo de aflição sem paralelo na história mundial. Além disso, os pós-tribulacionistas têm dificuldade em explicar a ausência da palavra "igreja" em todas as passagens bíblicas relacionadas à Tribulação. Até mesmo em Apocalipse 4-21, a mais longa descrição da Tribulação em toda a Escritura, a palavra "igreja" nunca aparece. Os pós-tribulacionistas devem supor que a palavra "santos" em Apocalipse 4-21 signifique a igreja, embora uma palavra grega diferente seja usada.

E uma fraqueza final da visão pós-tribulacional é compartilhada pelas outras duas teorias: a Bíblia não dá um cronograma explícito em relação a eventos futuros. As Escrituras não ensinam claramente um ponto de vista ao outro, e é por isso que temos diversidade de opiniões acerca dos tempos finais e algumas variedades de como as profecias relacionadas devem ser harmonizadas.


Leia mais: http://www.gotquestions.org

3 comentários:

  1. Não confundir Grande Tribulação com Ira de Deus.
    Ira são as Taças da Ira.
    Realmente a Igreja será preservada da Ira de Deus, mas irá passar pela Grande Tribulação.

    ResponderExcluir
  2. Não confundir Grande Tribulação com Ira de Deus.
    Ira são as Taças da Ira.
    Realmente a Igreja será preservada da Ira de Deus, mas irá passar pela Grande Tribulação.

    ResponderExcluir
  3. Graça e paz,

    A visão pós-tribulacional (sistemática) juntamente com as outras duas teorias, de fato não têm o cronograma dos eventos futuros; Porém, isso não é o caso da nova visão pós-tribulacional R.B. recebida do Senhor em 2010, não apenas um cronograma, mas, 10 gráficos escatológicos, escrito por profetas, mensagens e tempos diferentes. Porém, manifestando a ordem tribulacional numa harmonia perfeita, bem como a cronologia dos acontecimentos do Apocalipse.
    Com toda a certeza, isso é o cumprimento da revelação prometida para a Igreja da última geração (Jer. 23:20).

    1-O Apocalipse no Gênesis.
    2-O Apocalipse na Páscoa.
    3-O Apocalipse no Tabernáculo.
    4-O Apocalipse na Estátua de Nabucodonosor.
    5-O Apocalipse na visão dos quatro animais.
    6- O Apocalipse nas setenta semanas de Daniel.
    7- O Apocalipse em Mateus 24.
    8- O Apocalipse nos sete-oito reis.
    9- O Apocalipse de João - “a”.
    10- O Apocalipse de João - “b”.

    Se desejarem receber gratuitamente o material, basta solicitar pelo nosso
    E-mail: Jaime.ap@hotmail.com

    Abraços,
    Jaime e Júlio – Curitiba Pr.

    ResponderExcluir

💪 Nós aprendemos com Jesus que a verdadeira masculinidade não é simplesmente manter nossos narizes limpos e nossa casa em ordem. A verdadeira masculinidade significa enxergar além de nós mesmos para amar nosso próximo – e nosso próximo é qualquer um que encontramos em necessidade. O homem de verdade livremente doa seu tempo, recursos, atenção, energia e apoio emocional para aqueles que precisam, sem se preocupar em como eles podem retribuir. Seja você casado ou solteiro, se você não está servindo ao seu próximo abnegadamente e sacrificialmente, você não está exercendo completamente a masculinidade bíblica.

Phillip Holmes



Postagens populares

.

DOUTOR DA IGREJA GREGA - MAIOR PREGADOR DA IGREJA PRIMITIVA - MESTRE DA RETÓRICA, DA HOMILÉTICA!

DOUTOR DA IGREJA GREGA - MAIOR PREGADOR DA IGREJA PRIMITIVA - MESTRE DA RETÓRICA, DA HOMILÉTICA!
Você deseja honrar o corpo de Cristo? Não o ignore quando ele está nu. Não o homenageie no templo vestido com seda quando o negligencia do lado de fora, onde ele está malvestido e passando frio. Ele que disse "Este é o meu corpo" é o mesmo que diz "Tu me vistes faminto e não me destes comida" e «quantas vezes o fizestes a um destes meus irmãos mais pequeninos, a mim o fizestes» (Mateus 25:40)... Que importa se a mesa eucarística está lotada de cálices de ouro quando seu irmão está morrendo de fome? Comeces satisfazendo a fome dele e, depois, com o que sobrar, poderás adornar também o altar.

João Crisóstomo, Comentário sobre Mateus

♛ Uma das características mais recorrentes das homilias de João Crisóstomo (347-407) é sua ênfase no cuidado com os necessitados. Ecoando temas do Evangelho de Mateus, ele exorta os ricos a abandonarem o materialismo para ajudar os pobres, empregando todas as suas habilidades retóricas para envergonhar os ricos e obrigá-los a abandonar o consumismo mais conspícuo:


“Honras de tal forma teus excrementos a ponto de recebê-los em vasilhas de prata quando outro homem criado à imagem de Deus está morrendo de frio?”


— João Crisóstomo


-

OREM PELOS CRISTÃOS

OREM PELOS CRISTÃOS