"AO CONTRÁRIO DE MUITOS, NÃO NEGOCIAMOS A PALAVRA DE DEUS VISANDO A ALGUM LUCRO; ANTES, EM CRISTO FALAMOS DIANTE DE DEUS COM SINCERIDADE, COMO HOMENS ENVIADOS POR DEUS". 2 Coríntios 2. 17



terça-feira, 7 de agosto de 2012

*Os Puritanos

Livro Os Puritanos - Reforma 


Os Puritanos e a Adoração


.............................................................................................................................

Quem foram essas pessoas chamadas de “Os Puritanos”?

Primeiro foram os “Peregrinos”, nos anos 1620. Eles foram seguidos por milhares de Puritanos nos anos 1630 e estes deixaram suas fortes marcas em sua nova terra, tornando-se a mais dinâmica força nas colônias Americanas. 

Reportando-nos à Inglaterra, os Puritanos foram influentes pessoas na vida política do país, até que o Rei Charles não tolerou mais suas tentativas de reformar a Igreja da Inglaterra. Estava montada a perseguição. Veio então a ideia de que a única esperança seria deixar o país. Quem sabe na América eles poderiam estabelecer uma colônia cujo governo, sociedade e igreja fosse totalmente baseadas na Bíblia. A “Nova Inglaterra” poderia vir a ser a velha Inglaterra sem todos os defeitos de incredulidade e corrupção. “Puritanos” foi um termo ridiculamente usado durante o reinado da Rainha Elizabeth.

Eles eram os cristãos que desejavam uma Igreja da Inglaterra isenta de qualquer liturgia, cerimônia ou práticas que não estivessem absolutamente com base bíblica. A Bíblia era sua única autoridade, e eles defendiam que deveria ser usada em todos os níveis e áreas da vida.


UMA BRECHA ALTERNATIVA, UMA OMISSÃO PROVIDENCIAL

Quando o Rei Charles permitiu (ou concedeu) uma carta de privilégios à Massachusetts Bay Company, o documento falhou em não especificar que a sede e a direção da Companhia tinha de permanecer na Inglaterra. Os acionistas Puritanos tiraram proveito dessa omissão e combinaram em transferir a Empresa e toda a sua direção para a América. Fizeram todo o esforço então para estabelecer uma comunidade bíblica, uma república santa e cristã, como um verdadeiro exemplo para a Inglaterra e para o mundo.

“NOVA INGLATERRA” - UM NOVO JEITO DE SER

No país de origem, todo cidadão britânico fazia parte da Igreja Nacional da Inglaterra. Na nova Inglaterra apenas os verdadeiros convertidos eram membros da igreja. Somente aqueles indivíduos cujas vidas haviam sido transformadas pela crença no Evangelho de Cristo, tinham acesso ao Rol de Membros da Igreja. Somente estes tinham direito de voto na Colônia. Eles tentavam estabelecer normas para uma ordem social piedosa, uma sociedade que verdadeiramente glorificasse a Deus. Como a Lei Mosaica regulamentou a sociedade de Israel nos Dias do Velho Testamento, do mesmo modo a Igreja sob a autoridade das Escrituras poderia ser regulamentada na sociedade da Nova Inglaterra. Não havia lugar para concessões na América Puritana. Todos aqueles que não estivessem de acordo com os sublimes propósitos da colônia, estavam livres para se mudar para qualquer lugar. Em que pese serem os puritanos pessoas de uma convicção e fé muito fortes, eles não eram individualistas. Eles vieram para a América em grupos, não como povoadores individuais. Muitas vezes, congregações inteiras, lideradas pelos seus Ministros, deixaram a Inglaterra e se estabeleceram juntas na Nova Inglaterra.

Organizadamente se estabeleceram nas vilas, construindo seus templos ou pequenas casas de reunião bem no centro da cidade. A Igreja era o centro de sua comunidade, provendo propósito e direção para suas vidas.

HONRA AO DIA DO SENHOR

Os Puritanos defendiam tenazmente que o Senhor e o Seu culto eram importantes o suficientemente para que fosse reservado um dia inteiro na semana para total dedicação ao Senhor. E os Puritanos dedicavam seriamente o domingo ao Senhor. Os sermões tinham importância vital para a vida intelectual dos Puritanos e eles raramente gastavam menos do que uma hora nas exposições. Os instantes de oração podiam ser igualmente longos. A princípio não havia cânticos de hinos nos cultos dos Puritanos. Apenas os Salmos ou textos parafraseados da Bíblia eram cantados. O primeiro livro impresso na América foi o “Livro Geral dos Salmos”, uma versão métrica dos Salmos de Davi, impresso em 1640. A família era a instituição básica mais importante da sociedade Puritana, e funcionava como uma igreja em miniatura. Estabelecida por Deus antes de qualquer outra instituição e antes da queda do homem, a família era considerada o fundamento de toda vida civil, social e eclesiástica. Todos os dias, pela manha e a noite, a família se reunia para cultuar, a aos domingos se alegravam em poder cultuar junto com outras famílias.

CUIDADOS PARALELOS DO INTELECTO E DA ALMA

A instrução e o treinamento das crianças eram levadas muito a sério e os pais oravam para que os filhos se tornassem vigorosos para a glória do Senhor. Logo nos seus primeiros cinco anos de estabelecimento, Massachusetts organizou escolas para crianças. Toda criança deveria aprender a ler, pois somente assim teria condições de ler a Bíblia. Como uma das Leis de Massachusetts mencionava - “Sendo um antigo projeto do velho Enganador Satanás impedir que os homens tomem conhecimento das verdades bíblicas, escolas têm de ser estabelecidas”. Em 1636 a colônia fundou o Harvard College, especialmente para preparar pastores. As principais regras do Harvard testificam o compromisso cristão que os alunos assumiam: “Todos os estudantes devem ser plenamente instruídos e seriamente pressionados a considerar bem o principal propósito de suas vidas e estudos, isto é, conhecer a Deus e a Jesus Cristo - que é a vida eterna (João 17:3), e, por conseguinte, ter consciência que somente tendo Cristo por fundamento terá um perfeito aprendizado e conhecimento”.

TUDO É DO SENHOR

Tendo por fundamento sua crença de que todas as áreas da vida deveriam ser moldadas pelos princípios cristãos, os Puritanos defendiam que toda a profissão honrosa deveria ser exercida para a glória de Deus. Tudo na vida pertence ao Senhor, não havendo distinção entre trabalho secular e sagrado. Deus chama cada pessoa para uma vocação específica, e os cristãos devem atuar como verdadeiros despenseiros dos talentos e dons com os quais o Senhor os contempla. Atender ao chamado do Senhor era uma forma de servi-lo, assim como aos homens. A preguiça era considerada um grande pecado; dedicação ao chamado, uma grande virtude.

FORMANDO A AMÉRICA

Os Puritanos que se estabeleceram na Nova Inglaterra deixaram um legado para a formação de uma nação única na História. Eles tiveram também uma significativa influência no desenvolvimento subseqüente da América. Uma grande parte dos demais pioneiros que vieram a seguir e ocupantes do longínquo oeste, eram descendentes daqueles primitivos Puritanos. Seus valores e princípios, embora muitas vezes secularizados e distanciados dos fundamentos religiosos, continuaram a moldar o pensamento Americano e suas práticas nos séculos a seguir.


Bíblia de Estudo Ilúmina


Joel Beeke "Os Puritanos" (Leitura da Palavra e Oração)



.............................................................................................................................

O Momento do Culto e o Sábado Cristão

Os Puritanos 
.............................................................................................................................

COMO ERAM AS MULHERES PURITANAS? 


Nos últimos anos, tem sido despertado um crescente interesse pelo puritanismo, sobretudo por sua teologia e espiritualidade, que vieram a refletir esplendidamente em todos os aspectos da vida. Os puritanos tinham famílias fortes e bem estruturadas, cada membro cumpria com excelência seu chamado e a família era valorizada e norteada pelos princípios Escrituristicos. Sendo a mulher a joia do lar, seu papel foi essencial na construção daquela sociedade. Conhecer um pouco sobre a vida dessas mulheres será de grande beneficio para desintoxicar nossa mente dos conceitos e filosofias modernas e anti-Deus em que a nossa sociedade caída está imersa e tem influenciado grandemente a vida daqueles que reivindicam a postura de filhos de Deus. As mulheres puritanas, ao longo de suas vidas, cultivaram virtudes que em nossos dias são desprezadas, como submissão, mansidão e ternura. Vamos olhar para a história da nossa fé e conhecer um pouco sobre cada fase da vida dessas mulheres que foram esposas e mães de gigantes.
Menina/Jovem Solteira – Os pais puritanos, obedecendo à instrução do Senhor, começavam a doutrinar os filhos desde os seus primeiros anos de vida. A menina puritana recebia ensinamentos e exemplos não apenas de sua mãe, mas também de seu pai, este como chefe da família, tinha a responsabilidade de conduzi-las nas atividades espirituais. No domingo, dia do Senhor, toda a família ia para a igreja, o pai tratava de ensinar as crianças à importância da santificação deste dia. Após cada sermão, todos os membros da família eram examinados pelo pai, inclusive as meninas, ele tinha a preocupação de saber o que tinham aprendido e quais as partes da exposição bíblica tiveram dificuldade em assimilar, pois ele como pastor de sua família deveria ensinar e se certificar de que não restaram dúvidas. Assim as filhas dos puritanos eram instruídas em toda a doutrina bíblica, tendo seu pai como líder espiritual imediato, conduzindo-as ao conhecimento das Palavras da Vida.
É muito provável que uma menina puritana entendesse mais das doutrinas ortodoxas do que muitos pastores dos nossos dias. Além das instruções doutrinárias, recebidas em casa e na igreja, muitas ainda eram escolarizadas em leitura, caligrafia, música (escrita), matemática, desde aritmética à geometria ou álgebra, também em geografia, história filosofia e línguas. Entretanto, em sua grande maioria eram educadas para serem capazes apenas de ler, escrever e usar os algarismos.
O mandamento, que tratava sobre a obediência dos filhos aos pais, era uma realidade presente no relacionamento familiar. A filha puritana mostrava sua obediência com serenidade, reverência e respeito, amando e obedecendo a seus pais, pois isso é bom aos olhos do Senhor e ela fora ensinada que a razão da sua vida consiste em agradar a Deus, através da obediência a Sua vontade revelada na Escritura.
Na medida em que ia deixando a infância, para se tornar uma jovem senhorita, ela era treinada nos trabalhos domésticos e quanto a isso, podia-se esperar muito dela. A moça ideal para casar, na visão puritana, era aquela obediente aos pais, submissa, gentil, amável, disciplinada nas atividades espirituais, treinada nos afazeres do lar e econômica. Essas qualidades ela via claramente em sua mãe e buscava cultivá-las em si mesma, pois essas virtudes se mostrariam essenciais no próximo estagio da sua vida, quando ela deixaria a custodia dos pais para estar debaixo da autoridade do marido.
Esposa – A mulher puritana como esposa, era antes de tudo submissa, pois ela fora muito bem instruída, pelos pais e pela igreja, no principio bíblico da submissão. Sendo assim, quando casada, não tinha nenhuma dificuldade em obedecer ao mandamento do Senhor, mas sujeitava-se ao marido com mansidão e docilidade, entendendo que a ordem que fora estabelecida por Deus na criação não deveria ser quebrada, tanto para o bom funcionamento da sociedade, como para o seu próprio bem. A submissão feminina, entendida pelos puritanos, não queria dizer, de forma alguma que o homem tinha mais valor que a mulher, pois a hierarquia familiar não consiste em valor, mas em funções distintas, que o próprio Criador determinou. A desobediência deste mandamento, por parte de uma mulher que não quer se sujeitar ao marido é tão errado quanto a Igreja que não quer se submeter a Cristo e a comparação do relacionamento de Cristo com a Igreja é exatamente o do marido com a esposa (Ef. 5:24).
Essa esposa que era submissa era também companheira, consoladora e conselheira. John Angell James, em sua obra Female Piety (Piedade Feminina) descreve o ideal da esposa puritana:
“Na vida de casada, ela deve ser sua companheira constante, em cuja sociedade ele deve achar alguém que se una a ele mão com mão, olho com olho, lábio com lábio e coração com coração: a quem ele pode desabafar os segredos de um coração pressionado pelos cuidados, ou oprimido por angústias; cuja presença ela tem como prioridade perante toda a sociedade; cuja voz será para ele sua música mais doce; cujo sorriso, sua luz do sol mais brilhante: de quem ele se afastará com pesar, e a cuja conversa ele retornará com pés ansiosos, quando o labor do dia tiver terminado; quem caminhará próximo de seu coração amoroso, e palpitará o pulso de suas afeições quando os braços dela se apoiarem nele e forem pressionados em seu lado. Nos momentos de conversa a sós ele lhe falará de todos os segredos de seu coração; encontrará nela todas as capacitações, todos os estímulos, da mais terna e encarecida sociedade; e em seu gentil sorriso e loquacidade, gozará de tudo que possa ser esperado em quem foi dada por Deus para ser sua companheira e amiga.”
A esposa puritana tinha consciência de que seu marido seria grandemente beneficiado, assim como ela mesma, se tão somente cumprisse o papel para o qual fora chamada, ser uma auxiliadora idônea.
Mãe – A mulher como mãe, na família puritana, tinha a responsabilidade que era dividida com seu marido, de educar a próxima geração de homens e mulheres no temor do Senhor. As meninas eram ensinadas pelo próprio exemplo da mãe, a cultivarem um espírito submisso e manso, mas também a serem dotadas de força e coragem em seu Deus, com os olhos fixos na eternidade para suportarem as adversidades da vida que nos séculos XVI/XVII não eram poucas, J. I. Packer descreve nesses termos a dura vida dos puritanos:


“Os puritanos experimentaram perseguição sistemática por sua fé; a ideia que temos hoje dos confortos de uma casa eram desconhecidas a eles; sua medicina e cirurgia eram rudimentares; eles não tinham aspirinas, tranquilizantes, soníferos ou pílulas anti-depressivas, assim como não tinham nenhuma segurança social ou seguro; num mundo em que mais da metade da população adulta morria jovem e mais da metade das crianças nascidas morriam na infância, uma media de expectativa de vida inferior a apenas trinta anos, doenças, perigos, aflições, desconforto, dor e morte eram seus constantes companheiros. Eles estariam perdidos se não mantivessem seus olhos no céu e não conhecessem a si mesmo como peregrinos rumo ao lar na Cidade Celestial… a consciência dos puritanos de que no meio da vida nós estamos na morte, a apenas um passo da eternidade, deu-lhe uma profunda seriedade, calma embora apaixonada, com respeito aos negócios da vida que os cristãos no mundo ocidental de hoje opulento, mimado, materialista, raramente consegui se igualar. Eu penso que poucos de nós vivem diariamente à margem da eternidade da forma consciente que os puritanos viveram, e o resultado é que nós ficamos na desvantagem.”
Nestes tempos difíceis, cristãos maduros e convictos foram produzidos, e a geração posterior de cidadãos estava debaixo dos cuidados de mães que obedeciam ao chamado de Deus para suas vidas e não viam nisso degradação, nem se sentiam menos importantes que os homens, mas viam em ambas as funções a importância que Deus atribuiu a cada uma e sentiam-se honradas por Deus ter lhes dado tamanho privilegio de participarem, de forma significativa, para a gloria de Deus e para o bem da nação.

Não podemos transplantar o puritanismo dos séculos XVI/XVII para os nossos dias, nem para a nossa realidade cultural, mas podemos resgatar aquilo que foi essencial: teologia sólida, piedade fervorosa, busca incansável por santidade e um alto conceito sobre a família.
Que não venhamos a cair no erro de desprezar dois mil anos de historia e termos a pretensão de achar que o cristianismo começou conosco, mas que possamos aprender com as gerações passadas, como a dos puritanos, pessoas comuns e cheias de defeitos que é possível viver nesse mundo de forma digna do Reino de Deus.
Sonaly Soares




Nenhum comentário:

Postar um comentário

💪 Nós aprendemos com Jesus que a verdadeira masculinidade não é simplesmente manter nossos narizes limpos e nossa casa em ordem. A verdadeira masculinidade significa enxergar além de nós mesmos para amar nosso próximo – e nosso próximo é qualquer um que encontramos em necessidade. O homem de verdade livremente doa seu tempo, recursos, atenção, energia e apoio emocional para aqueles que precisam, sem se preocupar em como eles podem retribuir. Seja você casado ou solteiro, se você não está servindo ao seu próximo abnegadamente e sacrificialmente, você não está exercendo completamente a masculinidade bíblica.

Phillip Holmes



Postagens populares

.

DOUTOR DA IGREJA GREGA - MAIOR PREGADOR DA IGREJA PRIMITIVA - MESTRE DA RETÓRICA, DA HOMILÉTICA!

DOUTOR DA IGREJA GREGA - MAIOR PREGADOR DA IGREJA PRIMITIVA - MESTRE DA RETÓRICA, DA HOMILÉTICA!
Você deseja honrar o corpo de Cristo? Não o ignore quando ele está nu. Não o homenageie no templo vestido com seda quando o negligencia do lado de fora, onde ele está malvestido e passando frio. Ele que disse "Este é o meu corpo" é o mesmo que diz "Tu me vistes faminto e não me destes comida" e «quantas vezes o fizestes a um destes meus irmãos mais pequeninos, a mim o fizestes» (Mateus 25:40)... Que importa se a mesa eucarística está lotada de cálices de ouro quando seu irmão está morrendo de fome? Comeces satisfazendo a fome dele e, depois, com o que sobrar, poderás adornar também o altar.

João Crisóstomo, Comentário sobre Mateus

♛ Uma das características mais recorrentes das homilias de João Crisóstomo (347-407) é sua ênfase no cuidado com os necessitados. Ecoando temas do Evangelho de Mateus, ele exorta os ricos a abandonarem o materialismo para ajudar os pobres, empregando todas as suas habilidades retóricas para envergonhar os ricos e obrigá-los a abandonar o consumismo mais conspícuo:


“Honras de tal forma teus excrementos a ponto de recebê-los em vasilhas de prata quando outro homem criado à imagem de Deus está morrendo de frio?”


— João Crisóstomo


-

OREM PELOS CRISTÃOS

OREM PELOS CRISTÃOS