"AO CONTRÁRIO DE MUITOS, NÃO NEGOCIAMOS A PALAVRA DE DEUS VISANDO A ALGUM LUCRO; ANTES, EM CRISTO FALAMOS DIANTE DE DEUS COM SINCERIDADE, COMO HOMENS ENVIADOS POR DEUS". 2 Coríntios 2. 17



sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

*Amizade Cristã

Amizades

Amizades são uma parte importante da nossa vida. Desde a criação do primeiro casal, Deus mostrou a necessidade do companheirismo na vida humana. Em famílias, igrejas e comunidades criamos laços de amizade. Precisamos compartilhar a vida com outras pessoas.

Na Bíblia, Deus nos orienta sobre amizades. Ele fala do valor dos bons amigos e adverte-nos sobre os perigos dos companheiros errados. Ele oferece instrução e apresenta exemplos que nos ensinam. Estas orientações valem para os jovens que ainda estão escolhendo o seu rumo, e também ajudam os adultos no seu caminho pela vida.


Instruções sobre amizades


As Escrituras nos orientam sobre a escolha e o tratamento dos nossos amigos. Amigos têm muita influência em nossas vidas: "O justo serve de guia para o seu companheiro, mas o caminho dos perversos os faz errar" (Provérbios 12:26). Por este motivo, a escolha de companheiros é um assunto de grande importância: "Quem anda com os sábios será sábio, mas o companheiro dos insensatos se tornará mau" (Provérbios 13:20). No final de contas, nossas escolhas não envolvem apenas pessoas, mas decidem a nossa direção na vida e na eternidade. Tiago frisou bem este fato quando perguntou: "Infiéis, não compreendeis que a amizade do mundo é inimiga de Deus? Aquele, pois, que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus" (Tiago 4:4). O mesmo livro fala de um homem de grande fé que rejeitou os caminhos errados de outros homens e mostrou a sua lealdade ao Senhor. O resultado desta escolha de Abraão? "Foi chamado amigo de Deus" (Tiago 2:23). Devemos escolher bons amigos que nos ajudarão, especialmente em termos espirituais.


É fácil escolher mal. Muitas pessoas que não amam a Deus e não respeitam a palavra dele nos oferecem a sua amizade. Às vezes, podemos influenciar tais pessoas pela nossa fé e o exemplo de uma vida reta. O próprio Jesus fez questão de ter contato com pecadores, oferecendo-lhes a palavra eterna da salvação (Lucas 15:1; Mateus 9:10-13). O perigo vem quando não confessamos a nossa fé no meio de uma geração perversa (Marcos 8:38). Ao invés de conduzir outros a Cristo, deixamos as más influências nos corromperem.


Algumas pessoas querem nos induzir a pecar contra Deus. "Filho meu, se os pecadores querem seduzir-te, não o consintas. Se disserem: Vem conosco, embosquemo-nos para derramar sangue, espreitemos, ainda que sem motivo, os inocentes; traguemo-los vivos, como o abismo, e inteiros, como os que descem à cova; acharemos toda sorte de bens preciosos, encheremos de despojos a nossa casa; lança a tua sorte entre nós; teremos uma só bolsa. Filho meu, não te ponhas a caminho com eles; guarda das suas veredas os pés; porque os seus pés correm para o mal e se apressam a derramar sangue" (Provérbios 1:10-16). Infelizmente, observamos a mesma tragédia espiritual na vida de muitas pessoas hoje. Quantos jovens são induzidos a usar drogas, ou até de se tornar traficantes, pela influência de "amigos"? Quantos se integram a gangues e acabam cometendo vários tipos de crime?


Algumas amizades precisam ser totalmente evitadas:"Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores" (Salmo 1:1). Quando outros querem nos conduzir ao erro, precisamos sair correndo: "Foge da presença do homem insensato, porque nele não divisarás lábios de conhecimento. A sabedoria do prudente é entender o seu próprio caminho, mas a estultícia dos insensatos é enganadora. Os loucos zombam do pecado, mas entre os retos há boa vontade" (Provérbios 14:7-9).




Alguns dos amigos mais perigosos são aqueles que sempre concordam conosco, apoiando-nos mesmo nas coisas erradas. "Melhor é ouvir a repreensão do sábio do que ouvir a canção do insensato" (Eclesiastes 7:5). O amigo verdadeiro nos corrige, e a pessoa sábia procura ter amigos com coragem e convicção para a repreender quando for necessário. Por outro lado, o insensato evita pessoas que corrigem e criticam, procurando aprovação acima de sabedoria. "O escarnecedor não ama àquele que o repreende, nem se chegará para os sábios... O coração sábio procura o conhecimento, mas a boca dos insensatos se apascenta de estultícia" (Provérbios 15:12,14). Ninguém gosta de ser corrigido, mas todos nós precisamos de amigos que nos amam tanto que mostram os nossos erros: "Melhor é a repreensão franca do que o amor encoberto. Leais são as feridas feitas pelo que ama, porém os beijos de quem odeia são enganosos" (Provérbios 27:5-6).

Paulo mostrou aos coríntios que, mesmo entre pessoas religiosas, é necessário evitar influências negativas: "Não vos enganeis: as más conversações corrompem os bons costumes" (1 Coríntios 15:33). No caso dos coríntios, alguns irmãos estavam espalhando doutrinas falsas, negando a ressurreição dos mortos. O fato de alguém participar de uma igreja ou se dizer cristão não é garantia de uma amizade saudável e edificante. Alguns aproveitam a amizade para induzir outros a aceitar doutrinas e religiões falsas. Moisés avisou sobre parentes e amigos que incentivam os servos de Deus a servir outros deuses e mandou que não concordassem, nem ouvissem, nem olhassem com piedade para aqueles falsos professores (Deuteronômio 13:6-8). Temos que julgar a árvore pelos frutos (Mateus 7:15-20), retendo o que é bom e nos abstendo de toda forma de mal (1 Tessalonicenses 5:21-22).


Uma vez que escolhemos bons amigos, devemos ser bons amigos! As Escrituras nos aconselham sobre as responsabilidades de companheiros fiéis. Amigos contam com a presença uns dos outros: "Mais vale o vizinho perto do que o irmão longe" (Provérbios 27:10). "O olhar de amigo alegra ao coração; as boas-novas fortalecem até os ossos" (Provérbios 15:30). Por outro lado, não devemos abusar da amizade, causando aborrecimentos: "Não sejas frequente na casa do teu próximo, para que não se enfade de ti e te aborreça" (Provérbios 25:17). Não devemos abandonar nem trair os nossos amigos (Provérbios 27:10). Amigos verdadeiros não são interesseiros, mas aqueles companheiros fiéis que ficam nos bons tempos e nos maus: "Em todo tempo ama o amigo, e na angústia se faz o irmão" (Provérbios 17:17). A amizade verdadeira traz benefícios mútuos: "Como o ferro com o ferro se afia, assim, o homem, ao seu amigo" (Provérbios 27:17).


As orientações bíblicas são valiosas para nos guiar em fazer e manter boas amizades.


Exemplos de amizades boas e más


Deus nos ensina, também, por exemplos. Três gerações da mesma família servem como exemplos de amizades boas e más. Considere estes casos:


Davi e Jônatas. Talvez a mais conhecida amizade na história seja a de Davi com Jônatas, filho do rei Saul. O ciumento rei tentou matar o jovem Davi, escolhido por Deus como seu sucessor. Pelo mesmo motivo, Jônatas poderia ter olhado para Davi com inveja ou ódio. Se Deus não tivesse nomeado Davi, o próprio Jônatas seria rei depois da morte de Saul. Mas Jônatas não mostrou tais atitudes. Ele manteve uma amizade especial com Davi durante toda a sua vida. Quando Saul tentou matar Davi, foi Jônatas quem protegeu o seu amigo (1 Samuel 20). Davi lamentou amargamente a morte deste amigo excepcional (2 Samuel 1:17-27). Mesmo depois da morte de Jônatas, Davi mostrou bondade para com seu filho aleijado, Mefibosete (2 Samuel 9).


Amnon e Jonadabe. Amnon, um dos filhos de Davi, não escolheu seus amigos como o fez o seu pai. Ao invés de cultivar amizades boas e saudáveis, ele escolheu como companheiro seu primo Jonadabe (2 Samuel 13:3). Quando Amnon falou com este amigo sobre os seus desejos errados pela própria irmã, Jonadabe teve uma oportunidade excelente para corrigir e ajudar o seu primo. Infelizmente, ele fez ao contrário. Ele "ajudou" Amnon a descobrir uma maneira de estuprar a própria irmã! Além de levar Amnon a humilhar e odiar a moça inocente e a magoar profundamente o seu pai (2 Samuel 13:4-21), o conselho de Jonadabe levou, afinal, à morte do próprio Amnon (2 Samuel 13:22-36). Jonadabe até teve coragem de tentar confortar Davi depois da morte de Amnon! Que amigo!


Roboão e seus colegas. Roboão, neto de Davi, se tornou rei depois da morte de Salomão. No início do seu reinado, ele procurou conselho de várias pessoas antes de tomar uma decisão importantíssima. Ele valorizou a amizade com seus colegas acima da sabedoria dos homens mais velhos e experientes (1 Reis 12:7-11). A "ajuda" destes amigos contribuiu para a divisão do reino e diminuiu muito a influência de Roboão. Nossos amigos podem falar coisas que nos agradam, mas devemos dar ouvidos à sabedoria de pessoas mais sábias!


O que aprendemos?


De tudo que a Bíblia fala sobre amizades, devemos aproveitar algumas lições importantes. Entre elas:


 Escolher cuidadosamente os nossos amigos, evitando amizades que nos levariam ao pecado.


 Valorizar amigos que nos corrigem quando erramos.


 Cortar amizades que prejudicam a nossa vida espiritual, especialmente quando os "amigos" incentivam o pecado e participação em religiões falsas.


 Ser amigos fiéis e de confiança, especialmente nos momentos difíceis quando os amigos mais precisam de nós.


 Sempre manter nossa relação com Deus acima de qualquer amizade humana, confessando a nossa fé no meio de uma geração perversa.


Quando se trata de amizade, devemos valorizar qualidade, e não quantidade: "O homem que tem muitos amigos sai perdendo, mas há amigo mais chegado do que um irmão" (Provérbios 18:24).


http://www.estudosdabiblia.net
.............................................................................................................................


Amizades na Internet, Celebridades de Youtube e Idolatria Reformada (com Alan Cristie).

.............................................................................................................................

 O DOM DA AMIZADE: VOCÊ TEM AMIGOS NA IGREJA? 
ODomDaAmizadeVoceTemAMigosNaIgreja1

Nós falamos muito sobre relacionamentos na igreja

Há metas de palestras de casamento, retiros e conferências. Há séries de vídeos e livros para recém-casados e noivos. A maioria das igrejas oferece aconselhamento conjugal, e a maioria dos pastores prega sobre isso com alguma regularidade na igreja. E o mesmo é verdade com relação à criação de filhos. Há dezenas de livros a respeito disso. Existem a EBD, blogs e ministérios que se concentram no relacionamento entre pais e filhos. Tudo isso é bom.
Mas você já notou que raramente estudamos sobre a amizade? Entre os relacionamentos mais importantes, a amizade é a menos abordada na igreja.
Pense sobre as suas maiores alegrias na vida. Elas provavelmente orbitam em torno dos seus amigos — os bons momentos passados juntos, as grandes conversas, as risadas, o compartilhar, o prazer de se relacionar intimamente (não de fazer panelinha!) com outra pessoa ou com um grupo de pessoas.
Agora pense nos momentos mais dolorosos da vida. Sem dúvida, doença e tragédia estão na lista. E ainda assim, frequentemente, tais dificuldades são amenizadas pelo apoio de amigos e família. Mas quando a amizade vai mal — quando as coisas ficam constrangedoras ou quando você se sente excluído — nenhuma saúde ou prosperidade pode preencher o vazio. Muitas coisas ruins podem se tornar maravilhosas com amigos, e quase tudo o que há de bom pode ser terrível sem eles.
 O pior verão da minha vida foi o verão que passei enfurnado em uma cabana nas montanhas do Colorado, trabalhando em um livro de estudos sobre governo nacional. Por três meses eu trabalhei 10 horas por dia estudando ciência política com um colega de classe e o nosso professor da faculdade. Nós não tínhamos eletricidade (nós recarregávamos nossos laptops na cidade todos os dias) nem encanamento interno (nós usávamos uma casinha). Mas esse não era o problema principal. Eu me acostumei com o estilo de vida rústico. O problema era a falta de amigos. Eu estava cercado de beleza natural sublime, trabalhando em algo que eu gostava bastante e tinha tempo livre todas as noites e todos os fins de semana para ler, correr ou explorar. Mas eu estava triste, porque eu me sentia completamente sozinho.
 É surpreendente que não falemos com mais frequência sobre amizade na igreja. Dependendo de como você define amizade, a Bíblia pode ter mais a dizer a respeito do relacionamento entre amigos do que sobre casamento e o relacionamento entre pais e filhos. Além disso, eu aposto que a “satisfação” da igreja é amplamente baseada em duas coisas. 
 Se você encontra alegres frequentadores, estou certo de que você encontra esses dois itens presentes, e onde os membros estão descontentes, posso quase garantir que essas duas coisas estão faltando: ensino de qualidade e relacionamentos de qualidade. Sem dúvida, há muitos outros aspectos importantes da vida eclesiástica. Mas para a maioria das pessoas, esses são os que mais importam. As pessoas querem uma igreja que as ensine bem (o que inclui sermões, louvores, classes e estudos bíblicos) e uma igreja onde elas possam fazer amigos.
Eu não sei se fazer amigos está mais difícil do que nunca. De certa maneira, com a possibilidade de viagens e a tecnologia, está mais fácil do que costumava ser. Mas ainda há diversos fatores que diminuem a possibilidade de amizade genuína.

  • Somos extremamente móveis, nos mudando de lugar em lugar, raramente ficando estabelecidos em um local por um longo período.
  • Somos consumidos pela vida familiar, colocando quase todo o nosso tempo livre em nossos filhos e, o que resta, em nossos cônjuges.
  • Somos enganados pelo e-mail e pelo Facebook, imaginando que temos centenas de relacionamentos espetaculares quando, na verdade, temos um monte de “torcedores”, conhecidos e poucos amigos de carne e osso.
  • Somos fascinados por relacionamentos de mão única, gastando energia emocional ao criarmos laços com nosso ator favorito, nosso atleta favorito ou nosso concorrente favorito do American Idol.
  • Amizade é algo maravilhoso e todos nós queremos uma. Mas amigos podem ser difíceis de conseguir. Isso não é novidade. Um verdadeiro amigo sempre foi um dos dons de Deus mais buscados. “Muitos proclamam a sua própria benignidade; mas o homem fiel, quem o achará?” (Provérbios 20:6). Felizmente, o livro de Provérbios fala muito de amizade. Ele não irá ajudá-lo a encontrar amigos, pelo menos não diretamente. Mas Provérbios o ajudará a ser um amigo melhor. E os melhores amigos normalmente têm os melhores amigos.
Em particular, Provérbios nos convida a fazer três perguntas relativas à amizade: Você é falso? Você é desagradável? Ou você é fiel?

ODomDaAmizadeVoceEUmFalsoAmigo

Pergunta número 1: Você é um falso amigo?

Existe uma característica que define o amigo impostor em Provérbios: ele usa as pessoas. O falso amigo faz amizade com pessoas que podem dar coisas a ele. Ele estabelece relacionamentos apenas para ganho pessoal. Em Provérbios, isso significa dinheiro.
  • “As riquezas multiplicam os amigos; mas, ao pobre, o seu próprio amigo o deixa” (19.4).
  • “O pobre é odiado até do vizinho, mas o rico tem muitos amigos” (14.20).
  • Ao generoso, muitos o adulam, e todos são amigos do que dá presentes. Se os irmãos do pobre o aborrecem, quanto mais se afastarão dele os seus amigos! Corre após eles com súplicas, mas não os alcança” (19.6-7).
É difícil dizer se Provérbios está fazendo um julgamento moral daqueles que se aproximam dos ricos. Certamente, parte do argumento é simplesmente mostrar a diferença entre o privilégio do rico e o do pobre. Mas penso que devemos ver e reconhecer a inconstância de tais amigos. Amigos fiéis são difíceis de achar (Provérbios 20.6). Falsos amigos vêm em abundância, e vêm atrás das suas posses.
Falsos amigos usam as pessoas. Dinheiro é o exemplo em Provérbios, mas há outras maneiras de usar as pessoas. Algumas pessoas se aproximam de pastores, políticos ou de atletas, porque querem acesso, poder ou popularidade. Outros podem estar tão acostumados a pedir favores para os negócios, estudos ou questões da igreja, que nem conseguem mais diferenciar quando seu carisma é genuíno e quando é uma representação. Nenhum de nós está imune aos perigos de uma falsa amizade. É possível promover um livro, falar em uma conferência, elogiar um blog ou fingir companheirismo a um cristão influente e, a todo tempo, estar fazendo isso para receber o mesmo tratamento.
Há alguns anos eu li um livro a respeito de Billy Graham e os presidentes. O que mais me espantou foi como tais homens poderosos receberam Billy Graham em suas vidas porque ele parecia ser a única pessoa que não queria nada deles. A história mostra que eles frequentemente queriam alguma coisa de Billy Graham, mas ele deu a eles o dom da amizade sem manipulação. Ele não era um falso amigo.
Se um dia eu entrar no negócio de escrever biscoitos da sorte, este será um dos meus primeiros recados: “Cuidado com o amigo bajulador. Ele não está interessado de coração no seu bem”.

ODomDaAmizadeVoceEUmAmigoDesagradavel

Pergunta número 2: Você é um amigo desagradável?

Deixe-me sugerir três traços.
Primeiro: um amigo desagradável é rápido em criticar. Na minha opinião, há dois tipos de pessoas que têm mais dificuldade de fazer amigos. Uma é a pessoa que quer tanto ter amigos que não consegue entender o que significa ser um amigo. Tais pessoas são ignorantes socialmente. Elas não fazem perguntas. Elas veem o relacionamento como uma via de mão única. Tudo nelas denuncia: “Eu sou um vaso vazio pronto para você encher do seu amor, afirmação e curiosidade”.
O outro tipo que tem dificuldade de fazer amigos é a pessoa supercrítica. Tais pessoas têm uma opinião a respeito de tudo e devem verbalizar essa opinião para todos (provavelmente blogueiros!). Mais do que apenas oferecer a opinião, eles jorram um bombardeio implacável de negatividade. “O que despreza o próximo é falto de senso, mas o homem prudente, este se cala” (Provérbios 11.12).
Há algumas semanas eu estava em um carro com um senhor cristão que eu não conhecia. Eu fiquei impressionado com o freio que ele colocou em sua língua. Ele me fazia uma pergunta e quando ele via que nós podíamos não concordar completamente, ele simplesmente dizia: “Vejo que você já pensou sobre isso. Eu não preciso dizer mais nada”. Ele fez boas perguntas e guardou seus pensamentos para si mesmo, pois compartilhá-los não serviria para um propósito construtivo. Maus amigos compartilham cada pensamento, por mais críticos que sejam, como meios de autoexpressão. Eles não pensam na consequência das suas palavras ou se elas são necessárias em determinada situação.
Consequentemente, o amigo desagradável entra em um conflito que poderia ter sido evitado. “Não maquines o mal contra o teu próximo, pois habita junto de ti confiadamente. Jamais pleiteies com alguém sem razão, se te não houver feito mal” (Provérbios 3.29-30). É muito fácil arruinar amizades porque tivemos um dia ruim. É igualmente fácil entrar em uma discussão sem sentido por causa de sua própria inveja, insensibilidade ou hipersensibilidade. Amigos desagradáveis são rápidos em criticar.
Segundo: um amigo desagradável é irritante. Não estamos falando de personalidade ou temperamento. Algumas pessoas simplesmente nos irritam. Ok. Mas outras pessoas são completamente rudes. Pessoas rudes e irritantes não estão conscientes ou não se importam com costumes sociais e normas culturais. Isso parece ser um erro inocente, mas a Bíblia chama isso de pecado (1 Coríntios 13.5).
Provérbios nos dá dois exemplos concretos de como é ser irritante.
1) Ser chato. “O que bendiz ao seu vizinho em alta voz, logo de manhã, por maldição lhe atribuem o que faz” (Provérbios 27.14). Entendeu? Não seja a alma da festa quando acordar. (Crianças, isso se aplica a vocês também).
2) Não saber o seu lugar. “Não sejas frequente na casa do teu próximo, para que não se enfade de ti e te aborreça” (Provérbios 25.17). Se você é o tipo de amigo que chega sem ligar antes, nunca diz por favor ou obrigado, sempre espera que as pessoas esperem por você e não reconhece o seu papel como convidado, então você não é o tipo de amigo que as pessoas procuram.
Terceiro: um amigo desagradável não é confiável. Isso pode significar que você é um mentiroso descarado (Provérbios 23.10-11; 25.18). Mas a falsidade pode ser mais sutil. “Não te furtes a fazer o bem a quem de direito, estando na tua mão o poder de fazê-lo. Não digas ao teu próximo: Vai e volta amanhã; então, to darei, se o tens agora contigo” (Provérbios 3.27-28). Amigos desagradáveis não mantêm a palavra. Eles não devolvem favores. Eles não devolvem o que pegaram emprestado. Eles são tardios para ajudar e rápidos para buscar maneiras de evitar retribuir. Não se pode confiar que eles manterão a palavra.
Da mesma maneira, eles não têm cuidado com as próprias palavras. “Como o louco que lança fogo, flechas e morte, assim é o homem que engana a seu próximo e diz: Fiz isso por brincadeira” (Provérbios 26.18-19). Palavras machucam após serem lançadas, não importa que você diga qual era a sua intenção. Então seja cuidadoso. Se você não se importa com o efeito das suas palavras, as pessoas não vão confiar em você. E se você não é digno de confiança, você não será um amigo muito bom.

ODomDaAmizadeVoceEUmAmigoFiel

Pergunta número 3: Você é um amigo fiel?

Nós vemos pelo menos três características de um amigo fiel em Provérbios.
Primeira: um amigo fiel está presente em tempos de dificuldade. “Não abandones o teu amigo, nem o amigo de teu pai, nem entres na casa de teu irmão no dia da tua adversidade. Mais vale o vizinho perto do que o irmão longe” (Provérbios 27.10). Dada a importância da família no Antigo Testamento, é surpreendente que Provérbios diga para não ir à casa do seu irmão. O pensamento parece ser o seguinte: “Não negligencie os seus amigos. Eles o apoiarão tanto quanto a sua família”. Contatos são bons. Networking pode ter seu valor. Ter uma quantidade excessiva de conhecidos e pessoas que desejem o seu bem é legal. Não tem problema acumular amigos no Facebook. Mas amizade real é provada na adversidade (Provérbios 17.17).
Falsos amigos vão embora quando você está passando dificuldades. Amigos fiéis ficam melhores quando o momento é mais difícil. “O homem que tem muitos amigos sai perdendo; mas há amigo mais chegado do que um irmão” (Provérbios 18.24). Da próxima vez que você estiver no meio do sofrimento e perguntar a Deus: “Que razão pode haver para esta provação?” Considere que uma coisa que ele deve intentar é tornar as suas amizades mais doces e mais fortes.
Segunda: um amigo fiel sabe como lidar com conflito. Ele não guarda rancor. Ele não guarda um arquivo aberto no cérebro chamado “maneiras pelas quais você me magoou”. Guardar um registro longo e detalhado de ofensas é como construir amizades com um revólver sob o casaco. Isso não é maneira de fazer amigos ou mantê-los. “Não sejas testemunha sem causa contra o teu próximo, nem o enganes com os teus lábios. Não digas: Como ele me fez a mim, assim lhe farei a ele; pagarei a cada um segundo a sua obra” (Provérbios 24.28-29). Amigos fiéis nunca buscam vingança. Eles são prontos a ignorar defeitos e rápidos em perdoar. “A alma do perverso deseja o mal; nem o seu vizinho recebe dele compaixão” (Provérbios 21.10).
Parte de lidar bem com conflito é ser tardio em falar dos defeitos dos seus amigos com outros. “O que encobre a transgressão adquire amor, mas o que traz o assunto à baila separa os maiores amigos” (Provérbios 17.9). Bons amigos conversam com a pessoa, não sobre a pessoa. É incrível com quantas pessoas conversamos quando temos um conflito pessoal, mas evitamos conversar com a pessoa com a qual temos o conflito. É como dirigir em círculos e nunca entrar em uma rua. Provérbios está certo: “Pleiteia a tua causa diretamente com o teu próximo e não descubras o segredo de outrem; para que não te vitupere aquele que te ouvir, e não se te apegue a tua infâmia” (Provérbios 25.9-10).
Terceira: amigos fiéis melhoram uns aos outros. “Melhor é ser humilde de espírito com os humildes do que repartir o despojo com os soberbos” (Provérbios 16.29). Esse não é o caminho de um bom amigo.
Todos nós provavelmente já tivemos aqueles amigos que nos fazem sentir mais nobres e mais puros, e aqueles amigos que nos fazem sentir um pouco sujos e indispostos. As más companhias corrompem os bons costumes (1 Coríntios 15.33). Os seus relacionamentos mais fortes devem ser com aqueles que levam você a Cristo, não com aqueles que o afastam dele. Isso é ainda mais verdade quando você é jovem ou quando está em minoria. Suas amizades mais profundas devem ser amizades no evangelho.
Amigos fiéis ajudam uns aos outros com as suas palavras. “Como o óleo e o perfume alegram o coração, assim, o amigo encontra doçura no conselho cordial” (Provérbios 27.9). O autor menciona duas coisas preciosas nesse provérbio, óleo e perfume, mas nenhuma é tão preciosa quanto um amigo sábio. Vá aos seus amigos com as suas piores vergonhas e segredos mais íntimos. Fale com eles sobre sexo e dinheiro, e todas as coisas que mantemos escondidas. Receba o conselho deles antes de comprar uma casa, ou aceitar um novo emprego, ou casar-se. Os melhores amigos combinam seus QI’s e ficam mais inteligentes como resultado.
Todos nós conhecemos o provérbio: “Como o ferro com o ferro se afia, assim, o homem, ao seu amigo” (Provérbios 27.9). Essa é uma descrição muito vívida. Pergunte a si mesmo: eu sou uma esponja que nunca machuca ninguém, mas também nunca ajuda muito? Eu sou uma espada que corta rapidamente mas também destrói? Ou eu sou uma pedra, o tipo de amigo sobre o qual outros podem ser afiados, melhorados e amadurecidos? Amigos fiéis são melhores pedras do que esponjas ou espadas.

Jesus é um amigo

É claro, eu seria desleixado se não terminasse essa série apontando a nós Aquele para quem toda a Escritura aponta. “Ninguém tem maior amor do que este: de dar alguém a própria vida em favor dos seus amigos” (João 15.13). Isso significa que o maior amigo é aquele que mais entregou por seus amigos. Não há dúvidas de quem é esse.
Só para ter certeza, Jesus é mais do que um amigo, mas não menos. Ele é o Amigo Divino, melhor do que qualquer outro. Ele nunca é um falso amigo, mas sempre busca o melhor para nós. Também não é um amigo desagradável. Ele é tardio em se irar em vez de rápido em criticar. Ele é profundo e suave em vez de irritante. Ele sempre é digno de confiança, e nunca nos desaponta. O melhor de tudo, Jesus é um amigo fiel. Ele não apenas se coloca no seu lugar e conforta você na dificuldade, mas livra você da sua maior dificuldade, que é o pecado. Ele não apenas fala a verdade e lida com o conflito, mas fez paz através do seu sangue quando estava em inimizade com ele. E ele não apenas nos torna melhores, mas nos torna novos. Em Jesus amigo temos, mais chegado que um irmão. Um privilégio que levemos tudo a ele em oração.
Fonte: 
.............................................................................................................................
QUEM SÃO SEUS AMIGOS? STEVEN LAWSON 
.............................................................................................................................


 Moças e rapazes solteiros podem ser apenas amigos?




.............................................................................................................................


Nenhum comentário:

Postar um comentário

E SE FOSSE VOCÊ?

E SE FOSSE VOCÊ?

Postagens populares

.

DOUTOR DA IGREJA GREGA - MAIOR PREGADOR DA IGREJA PRIMITIVA - MESTRE DA RETÓRICA, DA HOMILÉTICA!

DOUTOR DA IGREJA GREGA - MAIOR PREGADOR DA IGREJA PRIMITIVA - MESTRE DA RETÓRICA, DA HOMILÉTICA!
Você deseja honrar o corpo de Cristo? Não o ignore quando ele está nu. Não o homenageie no templo vestido com seda quando o negligencia do lado de fora, onde ele está malvestido e passando frio. Ele que disse "Este é o meu corpo" é o mesmo que diz "Tu me vistes faminto e não me destes comida" e «quantas vezes o fizestes a um destes meus irmãos mais pequeninos, a mim o fizestes» (Mateus 25:40)... Que importa se a mesa eucarística está lotada de cálices de ouro quando seu irmão está morrendo de fome? Comeces satisfazendo a fome dele e, depois, com o que sobrar, poderás adornar também o altar.

João Crisóstomo, Comentário sobre Mateus

♛ Uma das características mais recorrentes das homilias de João Crisóstomo (347-407) é sua ênfase no cuidado com os necessitados. Ecoando temas do Evangelho de Mateus, ele exorta os ricos a abandonarem o materialismo para ajudar os pobres, empregando todas as suas habilidades retóricas para envergonhar os ricos e obrigá-los a abandonar o consumismo mais conspícuo:


“Honras de tal forma teus excrementos a ponto de recebê-los em vasilhas de prata quando outro homem criado à imagem de Deus está morrendo de frio?”


— João Crisóstomo