quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Portal Teologia & Missões

O Livro de Êxodo - Artigos

 O cordeiro, o sangue nas laterais e nas vigas superiores das portas, a morte dos primogênitos, o livramento das mãos de um país hostil e a celebração da Festa da Páscoa durante toda a história de Israel - tudo isso foi destinado por Deus para ser um grandioso quadro histórico de Cristo, o Cordeiro pascal, que por seu sangue nos livrou do mundo hostil e da escravidão ao pecado. Outros textos bíblicos referem-se a Jesus como nosso Cordeiro sacrificial:

* "...um cordeiro sem mancha e sem defeito" (I Pe 1.19);
* "Vejam! É o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!" (Jo 1.29);
* "Quando viu Jesus passando, disse: Vejam! É o Cordeiro de Deus!" (Jo 1.36);
* "Pois Cristo, nosso Cordeiro pascal, foi sacrificado" (I Co 5.7);
* "Depois vi um cordeiro, que parecia ter estado morto..." (Ap 5.6).

  Os pães asmos deviam ser comidos durante a Festa da Páscoa como lembrança perpétua da pressa dos israelitas ao sair do Egito (12.34).

É a festa instituída em lembrança da morte dos primogênitos do Egito e da libertação dos israelitas. o seu nome deriva de uma palavra hebraica, que significa a passagem do anjo exterminador, sendo poupadas as habitações dos israelitas, cujas portas tinham sido aspergidas com o sangue do cordeiro pascal (Êx 12.11 a 27). Chama-se ‘a Páscoa do Senhor’ (Êx 12.11,27) - a ‘festa dos pães asmos’ (Lv 23.6 - Lc 22.1) - os ‘dias dos pães asmos’ (At 12.3 - 20.6). 

A palavra Páscoa é aplicada não somente à festa no seu todo, mas também ao cordeiro pascal, e à refeição preparada para essa ocasião solene (Lc 22.7 - 1 Co 5.7 - Mt 26.18,19 - Hb 11.28). 


Na sua instituição, a maneira de observar a Páscoa era da seguinte forma: o mês da saída do Egito (nisã-abibe) devia ser o primeiro mês do ano sagrado ou eclesiástico - e no décimo-quarto dia desse mês, entre as tardes, isto é, entre a declinação do sol e o seu ocaso, deviam os israelitas matar o cordeiro pascal, e abster-se de pão fermentado. No dia seguinte, o 15º, a contar desde as 6 horas da tarde anterior, principiava a grande festa da Páscoa, que durava sete dias - mas somente o primeiro e o sétimo dias eram particularmente solenes. o cordeiro morto devia ser sem defeito, macho, e do primeiro ano. Quando não fosse encontrado cordeiro, podiam os israelitas matar um cabrito. 


Naquela mesma noite devia ser comido o cordeiro, assado, com pão asmo, e uma salada de ervas amargas, não devendo, além disso, serem quebrados os ossos. Se alguma coisa ficava para o dia seguinte, era queimada. Os que comiam a Páscoa precisavam estar na atitude de viajantes, cingidos os lombos, tendo os pés calçados, com os cajados nas mãos, alimentando-se apressadamente. 

Durante os oito dias da Páscoa, não deviam fazer uso de pão levedado, embora fosse permitido preparar comida, sendo isto, contudo, proibido no sábado (Êx 12). A Páscoa era uma das três festas em que todos os varões haviam de ‘aparecer diante do Senhor’ (Êx 23.14 a 17). Era tão rigorosa a obrigação de guardar a Páscoa, que todo aquele que a não cumprisse seria condenado à morte (Nm 9.13) - mas aqueles que tinham qualquer impedimento legítimo, como jornada, doença ou impureza, tinham que adiar a sua celebração até ao segundo mês do ano eclesiástico, o 14º dia do mês iyyar (abril e maio). 

  Vemos um exemplo disto no tempo de Ezequias (2 Cr 30.2,3). Ulteriores modificações incluíam a oferta do ômer, ou do primeiro feixe da colheita (Lv 23.10 a 14), bem como as instruções a respeito de serem oferecidos especiais sacrifícios em todos os dias da semana festiva (Nm 28.16 a 25), e a ordem para que os cordeiros pascais fossem mortos no santuário nacional e o sangue aspergido sobre o altar, em vez de ser sobre os caixilhos e umbrais das portas (Dt 16.1 a 6). ‘À tarde, ao pôr do sol’ (querendo isto, talvez, dizer na ocasião do crepúsculo, ou então entre as três e seis horas), eram mortos os cordeiros, sendo postos de parte a gordura e o sangue. A refeição era, então, servida em conformidade com a sua original instituição. Na mesma noite, depois de ter começado o dia 15 de nisã, era a gordura queimada pelo sacerdote, e o sangue derramado sobre o altar (2 Cr 30.16 - 35.11).

 Nesse dia 15, passada já a noite, havia o ajuntamento da congregação, durante o qual nenhuma obra desnecessária podia ser feita (Êx 12.16). No dia seguinte, era oferecido o primeiro molho da colheita, e agitado pelo sacerdote diante do Senhor, sendo igualmente sacrificado um cordeiro macho, em holocausto, com oferta de margares e bebida. Os dias entre o primeiro e o sétimo eram de quietude, a não ser que houvesse sacrifícios pelo pecado, ou fosse prescrita a liberdade de alguma espécie de trabalho. 

 O dia 21 do mês de nisã, e o último dia da festa, era novamente de santa convocação (Dt 16.8). Devia prevalecer em todos um ânimo alegre durante os dias festivos (Dt 27.7). No tempo de Jesus Cristo, como a festividade com os sacrifícios acessórios só podia efetuar-se em Jerusalém, de toda parte concorria tanta gente, que não era possível acomodar-se toda dentro dos muros da cidade. Foi esta a razão que os magistrados apresentavam para que Jesus não fosse preso, pois receavam algum tumulto da parte da multidão, que se achava em Jerusalém para a celebração da Páscoa (Mt 26.5). Durante a semana da Páscoa (a 16 do mês de abril), era oferecido um feixe, formado dos primeiros frutos da colheita da cevada, com um sacrifício particular (Lv 23.9 a 14). 

 No aniversário deste dia levantou-Se Jesus Cristo dentre os mortos, e o apóstolo Paulo pode ter tido este fato em vista, quando, falando da ressurreição do Redentor, ele disse: ‘Sendo ele as primícias dos que dormem’ (1 Co 15.20). 

 A guarda da Páscoa é várias vezes mencionada: quando foi instituída (Êx 12.28,50) - no deserto do Sinai (Nm 9.3 a 5) - e nas planícies de Jericó ao entrarem os israelitas na terra de Canaã (Js 5.10,11). E também a Bíblia refere que foi celebrada a Páscoa por Ezequias e alguns do povo (2 Cr 30) - por Josias (2 Rs 23.21 a 23 - 2 Cr 35.1,18,19) - depois da volta do cativeiro (Ed 6.19 a
22) - e por Jesus Cristo (Mt 26.17 a 20 - Lc 22.15 - Jo 2.13,23). 

HISTÓRIA DO CALENDÁRIO JUDEU

O calendário judaico, diferentemente do gregoriano, é baseado no movimento lunar. Onde cada mês se inicia com  a lua nova (quando é possível visualizar o primeiro reflexo de luz sobre a superfície lunar. Antigamente o calendário era determinado simplesmente por observação.

 Introdução ao Livro de Êxodo - Slides 

O grande problema com o calendário lunar é que se compararmos com o calendário gregoriano, temos em um  ano solar 12,4 meses lunares, o que ocorre uma diferença a cada ano de aproximadamente 11 dias, para compensar esta diferença, a cada ciclo de 19 anos acrescenta-se um mês inteiro (Adar II).São acrescidos no terceiro, sexto, oitavo, décimo-primeiro, décimo-quarto, décimo-sétimo e décimo-nono anos desse ciclo.

Início da Contagem

O inicio da contagem do calendário judaico se refere à criação do mundo.

OS MESES DO CALENDÁRIO JUDAICO

O primeiro mês do calendário judaico é o mês de Nissan, quando temos a comemoração de Pessach. Entretanto,  o ano novo judaico ocorre em Tishrei (quando é acrescentado um número ao ano anterior). 

MÊS  DURAÇÃO EQUIVALENTE GREGORIANO

Nissan  30 dias  Março-Abril
Iyar  29 dias  Abril-Maio
Sivan  30 dias  Maio-Junho
Tammuz  29 dias  Junho-Julho
Av  30 dias  Julho-Agosto
Elul  29 dias  Agosto-Setembro
Tishrei  30 dias  Setembro-Outubro
Heshvan  29/30 dias Outubro-Novembro
Kislev   30/29 dias Novembro-Dezembro
Tevet   29 dias  Dezembro-Janeiro
Shevat   30 dias  Janeiro-Fevereiro
Adar   29/30 dias Fevereiro-Março
Adar II  29 dias  Março-Abril

INSTITUIÇÃO DA PÁSCOA

Apesar das muitas festas e comemorações de Israel, nenhuma era tão importante quanto aquela que abria o ano religioso (em meados do primeiro mês), a Páscoa.

   Tinha ela três finalidades: 1) Comemorar a salvação e o resgate físico dos primogênitos pela morte de um cordeiro. 2) Lembrar a cada pessoa a necessidade de se alcançar redenção espiritual do pecado pelo sacrifício de um cordeiro substituto, indicando desse modo a provisão futura prometida por Deus na aliança abraâmica. 3) Ensinar-nos o significado da morte de Cristo, que desempenhou aquele tipo como o "Cordeiro de Deus" (João 1:29). Do mesmo modo que a Ceia da Páscoa foi o tipo da morte de Cristo,a Ceia do Senhor é um memorial que relembra o sacrifício feito pelo pecado da humanidade. O Cordeiro da Páscoa foi o maior tipo da redenção no Antigo Testamento.

 Prova Arqueológica do Êxodo

  Que Deus abençoe a vida de todos, e sabendo nós que Jesus, não só deve ser lembrado e celebrado por nós somente nesse tempo da Páscoa, mas em nossos dia a dia, e não somente jejuarmos e orarmos nessa época, mas tendo nós comunhão e bom relacionamento com Ele em todo o tempo.E nessa comunhão entra o jejum, a oração e leitura da Palavra Sagrada.

Fontes de pesquisas:

Bíblia de Estudo de Genebra
Conheça Melhor o Antigo Testamento / Editora Vida

Dicionário Bíblico Ebenezer

Portal Teologia & Missões

About Portal Teologia & Missões -

Author Description here.. Nulla sagittis convallis. Curabitur consequat. Quisque metus enim, venenatis fermentum, mollis in, porta et, nibh. Duis vulputate elit in elit. Mauris dictum libero id justo.

Subscribe to this Blog via Email :